Posts tagged "Santa Catarina"

Um rolé em São Miguel

Salve!

Há muito queria organizar alguns roteiros de viagem seguindo os passos dos meus ancestrais. Para juntar história e viagens, duas coisas que gosto muito… e com o mais nobre dos pretextos, é claro! Começando hoje, pelo meu bisavô catarinense:

José Sebastião do Nascimento, nascido em 1860 em São Miguel da Terra Firme – atual município de Biguaçu, em Santa Catarina.

 

terrafirme1

Localização de São Miguel, ao norte da parte continental de Florianópolis.

 

Eu não conheço Biguaçu, mas gostaria. Quem sabe, se no dia que ali estiver, conseguir ignorar a estrada de asfalto entre a praia e as construções históricas do antigo centro de São Miguel da Terra Firme, possa imaginar como o Sr. José percebia aquele lugar. A 7km do centro atual, ainda estão ali a igreja matriz, cuja reconstrução foi iniciada em 1798, com seu pequeno cemitério; o balneário; o Museu Etnográfico Casa dos Açores e o aqueduto histórico.

legenda e link

Detalhe do acervo do Museu Etnográfico Casa dos Açores em São Miguel. Mais fotos ótimas neste post bem informativo (Florianópolis or Just Floripa). Este museu deve dizer muito sobre as origens do seu José Sebastião, um homem de ascendência quase completamente açorita.

 

Biguaçu está logo ao norte de São José, que circunda a porção continental de Florianópolis. Muito embora seja com certeza muito diferente da São Miguel do século XIX que José Sebastião conheceu, a pequena cidade, que já foi um importante ponto portuário e da pesca baleeira, ainda preserva pontos de interesse para o patrimônio histórico, além de reunir as opções de lazer no balneário e gastronomia local, nos restaurantes ao longo da orla. Na galeria abaixo estão algumas fotos – clicando em cada imagem, abre-se uma pequena explicação de cada uma:

 

 

 

Como não poderia faltar em qualquer bom passeio, para quem gosta de comer (eu levantei a mão), vale também ver esta dica dos Destemperados – O Restaurante Aqueduto.

 

Bon voyage,

helga~Helga.

 

O aqueduto e seu reflexo. Ou o reflexo e seu aqueduto, como preferirem.

Em destaque: O aqueduto e seu reflexo. Ou o reflexo e seu aqueduto, como preferirem. Esta viagem é mais uma cortesia da Helga, que editou esta imagem de um antigo cartão postal, que por sua vez veio das profundezas de internet.

Maria Caetana de Araújo

Ela foi a força do feminino: em casa, ganhou doze filhos; em casa, trabalhava informalmente; e em casa, recebia o marido vindo do trabalho, por 39 anos.
Conheça a história de Maria Caetana de Araújo.

*01.08.1872 Tubarão SC          †16.11.1936 Tubarão SC

• Vide a genealogia de Maria Caetana de Araújo

Síntese

Maria Caetana de Araújo foi uma esposa e mãe de família que viveu em Santa Catarina entre 1872 e 1936. Nasceu em Tubarão, e viveu com o marido e os doze filhos em localidades ao longo do Vale do Rio Tubarão, nas proximidades da Ferrovia Tereza Cristina.

Maria caetana de Araújo. Único retrato encontrado até agora.

Maria Caetana de Araújo. Único retrato. Acervo da Helga.

Parte 1: Crescendo em Tubarão e São Joaquim da Costa da Serra

1.1. O começo

1.1.1. Batismo

Maria Caetana de Araújo nasceu 1º de agosto de 1872[1] em Tubarão ou arredores,[1] Santa Catarina. Filha legítima[1] de Caetano Joaquim da Silva Araújo[1] e de Guilhermina Silvina de Souza[1], neta paterna de Joaquim Borges de Araújo[1] e Joaquina Inácia da Silva,[1] e neta materna de Manoel Mendes de Souza[1] e Maria Silvina de Souza, foi batizada em Tubarão,[1] aos 15 de agosto de 1872,[1] tendo como padrinho João Martinho de Mendonça[1] e como madrinha a invocação de Nossa Senhora.[1]

 

A antiga capela em Tubarão em 1879, antes da construção da matriz Nossa Senhora da Piedade. Foto do Arquivo Público de Tubarão, disponibilizada por BioTavares (vide fontes). Autor desconhecido.

A antiga capela em Tubarão em 1879, antes da construção da matriz Nossa Senhora da Piedade. Foto do Arquivo Público de Tubarão, disponibilizada por BioTavares (vide fontes). Autor desconhecido.

Segundo o texto do registro de batismo, Maria foi batizada “em Tubarão”, mas não há menção exata de lugar. A foto acima é da antiga capela de Tubarão, anterior à construção da Catedral Nossa Senhora da Piedade de Tubarão da foto abaixo, que começou a ser erguida justo em 1872. Imagino que Maria Caetana teria assistido, durante a sua infância, à construção da catedral que, apesar de bem marcante e da aparência muito sólida, foi demolida um ano antes de completar cem anos, em 1971.

Atraente: a fachada que não mais existe e cuja construção Maria Caetana teria acompanhado, na infância em Tubarão. Imagem disponibilizada por DiariodoSul.com.br (vide fontes). Século XX, autor desconhecido. Acervo da UFCS. Editada por Helga.

 

1.1.2. O que diz um nome

Maria Caetana foi a segunda filha do casal a ser batizada com este nome, sendo a primeira filha Maria nascida em 1864.[2] Desta forma, Maria foi possivelmente assim chamada para homenagear a irmã primogênita que provavelmente faleceu na infância, conforme o costume da época.

Outro costume onomástico a que Maria Caetana aderiu era o de adicionar um nome do meio ao nome de batismo. Assim, o nome do meio de Maria Caetana foi uma homenagem ao pai, Caetano Joaquim. O nome do meio não era definido na pia batismal, e, assim como a escolha do sobrenome em idos tempos, em geral seguia os vínculos de afinidade entre os entes da família.

 

1.1.3. Antes de Maria Caetana – as irmãs sem mais notícia

As primeiras filhas dos pais de Maria Caetana não deixam mais rastros documentais além dos seus registros de batismo, e assim, presume-se que tenham falecido na infância. Elas foram:

  • Maria, nascida em 6 de maio de 1864 e batizada no dia seguinte, em Tubarão.[2] Padrinhos: os avós maternos. Sem mais notícia.
  • Lídia, nascida em 13 de outubro de 1865 e batizada sete dias depois, Tubarão.[3] Padrinhos: os avós maternos.  Sem mais notícia.
  • Belmira, nascida em 1º de janeiro de 1869, batizada em 20 de janeiro de 1869, em Tubarão.[4] Padrinhos: José da Silva Araújo e Ana Joaquina. Sem mais notícia.

Nenhuma das três meninas – Maria (a primogênita), Lídia e Belmira são mencionadas como filhas na ocasião da morte do pai,[5] Caetano. Os padrinhos de Lídia eram os mesmos de Maria, como a indicar que Maria teria falecido ainda antes de Lídia ser batizada, pois em geral, havia uma certa rotatividade nas escolhas de padrinhos dos filhos. Outro indício de que Lídia poderia ter falecido jovem é a adoção do seu nome como nome do meio por parte da irmã Hermínia, que passou a chamar-se Hermínia Lídia.

 

1.1.4. Proteção de Nossa Senhora

De forma a propiciar alguma forma de proteção divina a esta segunda Maria – que ao que parece, seria a primeira filha do casal a ter vida longa – foi-lhe escolhida como madrinha a invocação de Nossa Senhora. Como observa Rômulo Garcia de Andrade, “Venâncio [Renato Pinto] abordou a ausência fisica de mulheres na cerimônia de batismo de pessoas livres […] A opção por N. Sra. como madrinha embutia uma permuta: N. Sra. ganhava um afilhado e em troca protegia a mãe na hora do parto.[6]

 

1.2. A infância

1.2.1. Depois de Maria Caetana

Felizmente, a família continuou crescendo desde o nascimento de Maria Caetana. É interessante notar que ela acabou por ter uma posição mutante na família, dependendo de quanto tempo de convívio pôde ter com as irmãs maiores. Pode ser que tivesse sido uma irmã do meio, que depois virou a irmã maior. Ou simplesmente, não tendo memória das irmãs mais velhas, pensasse sempre ter sido a primogênita. Os irmãos que vieram depois de Maria foram:

  • Antonio Caetano de Araújo,[5] nascido em cerca de 1874, em Tubarão;
  • José Lizenando de Araújo, nascido em 25 de julho de 1876 e batizado em 13 de agosto do mesmo ano, em Tubarão.[7]
  • Hermínia Lídia de Araújo,[5] nascida em cerca de 1878, talvez em São Joaquim;
  • Garcindo Bonifácio de Araújo,[5] nascido em cerca de 1880, talvez em São Joaquim;
  • Honorina Araújo, nascida em  4 de outubro de 1883, e batizada 20 dias depois, em Tubarão.[8]
  • João Elpídio de Araújo,[5] nascido em cerca de 1890, talvez em Tubarão.
 1.2.2. Vistas marcantes de Tubarão

Seguem algumas fotos de Tubarão, como ou semelhantes ao que Maria Caetana teria conhecido na sua primeira infância, junto com seus irmãos pequenos:

1.2.3. Os mais velhos

Avós e tios em Tubarão e Laguna

As três irmãs de Maria Caetana tiveram como padrinhos os avós maternos (Manoel Mendes de Souza e Maria Silvina de Souza) e tios paternos (José da Silva Araújo e Ana Joaquina), sendo moradores das freguesias de Tubarão e Laguna, que são cidades vizinhas entre si. As irmãs de Guilhermina de Souza e esposos, a saber: Íria Correa de Souza e esposo, José Constantino da Silva, e Clarinda Silvina de Souza, casada com Pedro de Bittencourt, foram respectivamente padrinhos de José e Honorina, irmãos de Maria Caetana. Assim, é certo que havia bons vínculos de afetividade com os avós e tios. Mas, tendo em mente as futuras mudanças da família, o convívio com os familiares em Tubarão e Laguna pode ter sido prejudicado.

 Origens

Assim como o marido José Sebastião, Maria Caetana definia-se como “filha da terra”;[9] e, de fato, apesar de ser quase sempre muito açoriana, a ascendência distante de Maria tem também origens indígenas enraizadas na época do Brasil Colônia, através da avó paterna Joaquina Inácia da Silva.

A imagem abaixo mostra a família mais próxima de Maria Caetana, exceto marido e filhos:  os pais, avós, irmãos e respectivos cônjuges, e os tios que foram também padrinhos e madrinhas dos irmãos de Maria.

avr-m.acaetana

Familiares mais próximos de Maria Caetana (exceto marido e filhos).

 

 

1.2.4. Escolaridade

A única evidência de alguma escolariadade de Maria Caetana é o fato de ter sido alfabetizada, demonstrando certa destreza ao assinar o nome. Provavelmente, freqüentou a escola primária de Tubarão.

No contexto do segundo império, a alfabetização de Maria Caetana foi um privilégio. Em 1867, cerca de 12 anos antes de sua idade escolar, somando-se todas as províncias do Brasil, “[…] Aproximadamente, dos 1.200.000 indivíduos em idade escolar, apenas 120 mil recebiam instrução primária, ou seja, a décima parte da população, ou ainda um indivíduo por 80 habitantes. [AZEVEDO, 1958, p. 82]”[10](grifo adicionado).

Screen Shot 2015-01-02 at 3.47.22 PM

A última assinatura de solteira de Maria Caetana. Pedras Grandes, 18 de novembro de 1892.

Colégio São José, ca. 1890. Exemplar de uma escola em Tubarão, na época da idade escolar de Maria Caetana. Imagem disponibilizada por Tubarão antigo (vide fontes). Autor desconhecido.

Colégio São José, ca. 1898. Exemplar de uma antiga escola em Tubarão. Imagem disponibilizada por “Tubarão antigo” (vide fontes). Autor desconhecido.

 

1.2.5. São Joaquim da Costa da Serra

Entre 1880 e 1882, o pai de Maria Caetana trabalhou em São Joaquim da Costa da Serra. Depois, a família parece ter retornado a Tubarão. Maria Caetana deve ter tido lembranças das particularidades geográficas de São Joaquim, com o terreno acidentado característico da serra catarinense, e sendo uma das três cidades mais frias do Brasil. Neste ínterim a educação de Maria Caetana e de seus irmãos deve ter ficado em família, já que Caetano Joaquim foi professor da freguesia neste período.

 

Neve em São Joaquim. Wikimedia Commons, 2015.

 

Parte 2: A vida em Pedras Grandes

2.1. A mudança para Pedras Grandes

A trajetória de Caetano Joaquim é a melhor evidência (e de fato, a única) para estimar a data em que a família de Maria Caetana se radicou nos arredores de Pedras Grandes. A última notícia de Caetano em Tubarão data de 1883, e já em 1892, é residente em Pedras Grandes. Logo, a mudança ocorreu em cerca de 1887, com uma margem de erro de cinco anos para mais ou para menos.

Pedras Grandes e suas redondezas – ou seja, Azambuja, Palmeiras (atual Pindotiba), Oratório (parte de Orleães), todos são locais em que os pesonagens principais da vida de Maria Caetana fazem suas aparições. Azambuja foi a primeira colônia italiana de Santa Catarina. Orleães foi uma colônia onde assentaram-se imigrantes da Itália, Alemanha, Letônia, Polônia, e também colonos nacionais.

Desta vez, diferente de um grande centro, como Tubarão, e não exatamente como uma freguesia mais isolada e remota que era São Joaquim da Costa da Serra, a morada da família em Pedras Grandes era um peculiar apanhado de novas freguesias e colônias nos arredores das minas de carvão. Ligando todos os locais relevantes da vida de Maria Caetana, estavam, em incessante movimento, a correnteza do Rio Tubarão e a fumaça da Ferrovia Tereza Cristina, na qual trabalhou o seu futuro marido, José Sebastião.

Seguem algumas fotos atuais de Pedras Grandes e o Rio Tubarão, que ainda devem em muito lembrar a época em que Maria Caetana ali vivia:

 

Muito determinante no cotidiano, no normal andamento econômico, na paisagem, nas características visuais e sonoras da região, no imaginário local, enfim, fundamental na identidade do lugar, era a estrada de ferro Dona Tereza Cristina.

Na galeria abaixo, estão mapas de localização da E.F.D.T.C. e uma uma seleção de fotos antigas de localidades do trecho Lauro Müller – Laguna.

 

Para os curiosos, segue vídeo da Tereza Cristina, funcionando em 2013 – disponibilizado por Andreas Illert:

 

2.2. O encontro com José Sebastião

Em Pedras Grandes, Maria Caetana conheceu o futuro marido, José Sebastião do Nascimento, vindo da freguesia de São Miguel, ao lado da parte continental da Capital. Em Pedras Grandes, casou e teve a maior parte de seus filhos. Portanto, deve ter vivido a fase mais marcante da sua vida naquele lugar.

Há uma série de possíveis conexões entre a família de Maria Caetana e José Sebastião: as funções na Guarda Nacional, na polícia, e vínculos em comum: José Avelino Pacheco dos Reis e Boaventura Costa de Mello, com quem José Sebastião trabalhou diretamente, tiveram ligação com o pai de Maria Caetana, por exemplo. As afinidades políticas também são um possível vínculo, considerando que o partido republicano era o mais amplamente apoiado na época.

 

2.3. Casamento

Maria Caetana casou-se aos 20 anos [11] com José Sebastião do Nascimento,[11] em cerimônia civil em casa das audiências do Juiz de Paz Roberto Schufler, em Pedras Grandes[11] em 18 de novembro de 1892.[11] Foram testemunhas José Avelino Pacheco dos Reis,[11] de 41 anos, negociante e residente em Pedras Grandes,[11] e Friedrich Dörner,[11] de 31 anos, seleiro e residente na freguesia de Tubarão.[11] A cerimônia religiosa aconteceu na capela de Pedras Grandes,[12] em 7 de fevereiro de 1893,[12]terça-feira, sendo testemunhas José Maurício dos Santos,[12] e novamente José Avelino Pacheco dos Reis.[12]

 

a igreja de Pedras Grandes. Imagem disponibilzada por Portal de Pedras Grandes (vide fontes) Sem data, autor desconhecido.

Assinatura de casada de Maria Caetana. Pedras Grandes, 4 de junho de 1910.

2.4. Filhos

Ao longo de seus quase trinta e nove anos de casamento com José, Maria Caetana teve doze filhos nos primeiros vinte e dois anos de casada, de modo que como ocorre, o movimento da família se reflete nos registros de nascimento da prole.

Em poucos mais de duas décadas muito intensas, Maria Caetana e José Sebastião tiveram os seguintes filhos:

    1. Leovegildo Elói Nascimento, nascido em 19 de dezembro de 1893, em Pedras Grandes. Testemunhas: José Avelino Pacheco dos Reis e Isaac Antunes de Medeiros.[13]
    2. Adolpho Nascimento, nascido em 19 de junho de 1895, em Pedras Grandes. Testemunhas: Boaventura Costa de Mello e Isaac Antunes de Medeiros.[14]
    3. Laura Nascimento, nascida às 5 horas e 30 minutos de 2 de novembro de 1896, em Pedras Grandes. Testemunhas: Juvêncio Francisco Borges e Jacintho Eleodoro Nunes.[15]
    4. Dimas Nascimento, nascido às 16 horas e 30 minutos de 10 de abril de 1898, em Pedras Grandes. Testemunhas: Juvêncio Francisco Borges e José Francisco Borges.[16]
    5. José Carlos Nascimento, nascido às 21 horas de 24 de setembro de 1899, em Pedras Grandes. Testemunhas: Antonio Bratti e Manuel Francisco Godinho.[17] Como sugere uma foto de família, José Carlos, conhecido como Joca, teria completado Bodas de Prata em 1947, em Canoas, Rio Grande do Sul.

      Possivelmente, José Carlos, o tio "Joca" e família, em 1947, Viamão. Acervo de família.

      (Foto de família ainda não identificada) – Possivelmente, no centro está José Carlos, o tio “Joca”, ao lado da esposa e filhos, em 1947, em Canoas, Rio Grande do Sul. Acervo da Helga.

    6. Pedro Nascimento, nascido em 5 de janeiro de 1902, em Pedras Grandes. Testemunhas: Juvêncio Francisco Borges e Sabino Luciano Pereira.[18]
    7. Paulo Nascimento, nascido às 6 horas de 1.o de julho de 1903, em Pedras Grandes. Testemunhas: João Rodrigues Machado e Manoel José Pereira.[19]
    8. João Pio Nascimento, nascimento estimado por volta de 1904, em Orleães. Casou em 1935 com Beatriz Kochler, em Porto Alegre[20] Foi testemunha o irmão mais moço, Lothar.[20] As fotos abaixo pertenciam a Lothar Nascimento e são de um de seus irmãos, porém ainda não identificado. Assim sendo, estão atribuídas a João Nascimento, com quem Lothar, que morava em Porto Alegre, teria mais chances de ter mantido contato. Fotos do acervo da Helga.PB sem verso0002 Fotos PB0024
    9. Maria Nascimento, nascimento estimado por volta de 1907, em Orleães.
    10. Lothar Nascimento, nascido em 29 de outubro de 1909, na localidade de Oratório, Orleães. Testemunhas: Jorge Salomão Boabard e João Antonio da Motta.[21] Casou-se com Erna Nilles em Porto Alegre, em 1933.

      Lothar Nascimento, a esposa Erna, e os primeiros dois filhos, no Natal de 1942.

      Lothar Nascimento, com a esposa Erna, e os primeiros dois filhos do casal, no Natal de 1942. Acervo da Helga.

    11. Antonia Nascimento, nascimento estimado por volta de 1912, em Orleães ou Tubarão.
    12. “Dona Lôra” Nascimento, (é usado o apelido para proteger a privacidade) nascida em 1915 em Tubarão.
      Com quase 100 anos, continua lúcida e ativa (fevereiro de 2015). Muitas exclamações não bastariam para expressar a sorte de poder ter conhecido a Dona Lôra.

 

2.6. A vida de esposa e mãe

Segundo as memórias da família,[9] Maria cuidava dos doze filhos, e desenvolvia vários trabalhos complementares à renda familiar, utilizando os dotes da costura e outras técnicas que havia aprendido com a mãe Guilhermina. Maria acordava em torno das quatro da madrugada para se dedicar à casa e ao trabalho, e “sempre fez de tudo pelos filhos, pelo marido, para que não faltasse nada”.[9]

Abaixo, está um gráfico simples mostrando, em bege, os períodos gestacionais, em terracota, os períodos pós-parto, e em azul, do claro ao anil, o número de filhos para tomar conta crescendo.

gravidezMC

Gráfico: períodos gestacionais, de pós-parto e o aumento da família. Feito por Helga, fevereiro de 2015.

As peripécias do marido

José Sebastião, além do trabalho, cumpriu também o papel de delegado de Pedras Grandes entre 1894 e 1896.[22]

Para melhor entender as atribuições de subdelegado, segue abaixo um relato da época, extraído de texto de Felipe Genovez:[23]

“O Chefe de Polícia Interino – Fernando Caldeira de Andrade em Relatório datado de 30 de junho de 1893, sobre autoridades policiais da Capital, assim se reporta:
“Exercem as funcções de commissario e sub-commissario d’esta capital os prestimosos e dedicados cidadãos João do Prado Lemos, Nuno da Gama d’Eça e Annimbal José de Abreu, cuja actividade, por demais comprovada no exercício de tão espinhosos cargos, merece por parte de vossa honrada e patriotica administração os mais sinceros encomios. De facto só o patriotismo, a dedicação sem limites pela segurança pública, levam a tão nobres caracteres acceitarem tão arduas funcções, onde gastam quasi toda a sua actividade economica com os esforços inauditos, roubando aos seus affazeres muitissimas horas que se consomem muitas vezes com sacrifícios de sua saude e quem sabe, da propria vida. (…)”. (grifo adicionado)

Maria Caetana não deve ter reclamado quando José Sebastião saiu do corpo de polícia sendo exonerado a pedido, enquanto ela já esperava a terceira filha do casal.

Acima: Notícia da exoneração a pedido de José Sebastião do Nascimento em 5 de julho de 1896, publicada no dia 18 do mesmo mês e ano no jornal "A Republica" (vide 2.a linha da 2.a coluna). Fonte: Hemeroteca Digital Brasileira.

Acima: Notícia da exoneração a pedido de José Sebastião do Nascimento em 5 de julho de 1896, publicada no dia 18 do mesmo mês e ano no jornal “A Republica” (vide 2.a linha da 2.a coluna). Fonte: Hemeroteca Digital Brasileira.

 

2.7. Irmãos e cunhados

Maria Caetana e família usufruíam da proximidade física dos familiares mais chegados. De seis dos irmãos de Maria Caetana, há notícia de cinco morando, casando-se e constituindo família nos arredores de Pedras Grandes, como listado a seguir:

  • Antonio Caetano de Araújo casou com Lucinda Cardoso de Bittancourt, em 27 de julho de 1901, em Azambuja;[24]
  • José Lizenando de Araújo casou com Maria Alexandrina de Jesus, em 14 de julho de 1906, em Azambuja.[25] José Sebastião foi testemunha, Maria Caetana não assinou o documento, no entanto provavelmente era considerada como uma madrinha de casamento.
  • Hermínia Lídia de Araújo casou com Isaac Antunes de Medeiros, em 7 de setembro de 1893, em Pedras Grandes.[26] Maria Caetana e José Sebastião foram testemunhas.
  • Garcindo Bonifácio de Araújo casou com Maria Feliciana de Jesus, em 5 de fevereiro de 1910, em Pedras Grandes.[27] José Sebastião foi testemunha legal, Maria Caetana não assinou a ata, como no casamento de José Lizenando.
  • João Elpídio de Araújo casou com Doralice Rodrigues em 24 de janeiro de 1914, em Pedras Grandes.[28]

Como se nota, Maria Caetana e seu marido foram testemunhas de três destes casamentos: o de Hermínia Lídia, José Lizenando e Garcindo Bonifácio, reforçando a idéia de que ela teria assumido o papel da irmã maior, prestando auxílio e sendo especialmente benquista entre os irmãos mais novos.

 

avr-m.acaetana

Familiares de Maria Caetana, detalhe. Pais, irmãos e cunhados na região de Orleans e Pedras Grandes.

 

 

2.8. O primeiro grande luto

No inverno de 1911,[5] em 20 de junho,[5] Maria Caetana perdeu o pai, Caetano, a quem havia homenageado com o segundo nome, que faleceu de pneumonia.[5] Maria Caetana tinha então 38 anos e dez filhos, e estava possivelmente grávida de um décimo primeiro rebento. Apesar da tristeza de Maria Caetana, é fácil imaginar como a vida, o cotidiano intenso e as dificuldades em pouco tempo a tenham absorvido, sem talvez ter-lhe permitido um período mais prolongado de luto.

 

 2.9. Momento histórico

Assim como José Sebastião, Maria Caetana viveu em época de importantes mudanças no curso da história Brasil. Mais uma vez, assim como no caso do marido, não que para ela tenha feito uma enorme diferença: sua vida, afazeres, situação econômica, seguiram sem grandes mudanças. Mas ela deve ter podido observar – talvez com surpresa, como boa parte da população – a Abolição e a instalação do novo regime republicano, aos 15 e 17 anos, respectivamente.

Também cabe aqui fazer referência ao meu comentário sobre a inserção cultural de José Sebastião, que se aplica também a Maria Caetana:

“Antes de se estabelecer em definitivo em Tubarão, José Sebastião Maria Caetana e família viviam na localidade de Oratório, em Orleães. Os sogros pais, com quem deve ter tido contato mais freqüente do que com os próprios familiares consangüíneos, moravam na localidade de Palmeiras (atualmente, Pindotiba), também em Orleães. Pedras Grandes e Orleães foram inicialmente colônias destinadas a assentar, na sua maioria, colonos vindos da Itália, Letônia, Polônia, e também – note, também colonos nacionais.

Duas testemunhas de nascimento de seus filhos e uma do seu casamento, por exemplo, eram Antonio Bratti, Jorge Salomão Boabard e Frederico (assinou “Friedrich”) Dönner – que aparentemente seriam imigrantes. Dois de seus filhos receberam nomes muitos mais comuns entre alemães do que entre lusófonos – Adolpho, em 1895, e Lothar, em 1909.

Como explicado anteriormente, ele ela não se autodefinia e nem se apresentava como sendo de origem tão-somente lusitana. Portanto, nada leva a crer que xenofobia ou eurocentrismo estivessem no dicionário de José Sebastião Maria Caetana. Pelo contrário, um dos aspectos interessantes da vida dele dela é a multiculturalidade do seu universo, que estaria ainda hoje à frente de muitas mentes tacanhas.” (riscos e adendos adicionados).

 

Parte 3: Filha pródiga

3.1. O retorno

Por algum motivo, possivelmente profissional, a família mudou-se para Tubarão. A sede da ferrovia já havia sido transferida para o grande centro desde 1906, mas as últimas pegadas da família em Orleães datam ainda de 1909. Talvez preferissem estar, por mais tempo que pudessem permanecer, mais perto da família, em Orleães; ou talvez, a presença de José Sebastião junto à sede tenha se dado somente mais tarde, talvez após um eventual período prolongado de reparos da estrada nos arredores de Pedras Grandes.

Após o nascimento do décimo filho em Orleães, Maria Caetana ainda teve mais duas filhas, das quais a última, certamente em Tubarão, em 1915. Das memórias desta filha caçula, ficou a imagem da fortaleza de Maria Caetana, pondo sempre em primeiro lugar as atribuições de esposa e mãe.

Em 23 de janeiro de 1922,[29] a mãe de Maria Caetana, Guilhermina, faleceu de “doença da pleura”,[29] ainda no mesmo distrito de Palmeira (atual Pindotiba, em Orleães) – onde morava há decadas. Maria visitava Guilhermina raramente, estando sempre muito ocupada dos filhos e dos trabalhos em casa.[9] As visitas ocasionais requeriam uma viagem relativamente longa, provavelmente a bordo do trem de passageiros da Tereza Cristina.

 

3.2. Viuvez

Maria Caetana enviuvou às duas horas da tarde de 19 de janeiro de 1931,[30] aos 58 anos e contando 39 anos de casamento. O marido, José Sebastião, faleceu um dia antes de completar 71 anos. No dia seguinte, que seria aniversário do finado, além do sepultamento, aconteceu também a festa de São Sebastião, que ocorre sempre em 20 de janeiro. Em meio a tantos sentimentos simultâneos, Maria Caetana ao menos não estava sozinha: no mínimo, a sua filha caçula tinha ainda 15 anos,[9] e ainda estaria em sua companhia por alguns anos.

A procissão de São Sebastião ocorre em várias cidades do Brasil todos os anos no 20 de janeiro. Foto: Beth Santos/ PMRJ via FotosPublicas.com.

A procissão de São Sebastião ocorre em várias cidades do Brasil todos os anos no 20 de janeiro. Foto: Beth Santos/ PMRJ via FotosPublicas.com.

 

Fotografia antiga de um cortejo fúnebre em Tubarão, ao que parece subindo a ladeira em direção à Igreja Matriz. Imagem disponibilzada por ConhecimentoGeral.com. Sem data, autor desconhecido.

Fotografia antiga de um cortejo fúnebre em Tubarão, ao que parece subindo a ladeira em direção à Igreja Matriz. Imagem disponibilzada por ConhecimentoGeral.com. Sem data, autor desconhecido.

 

3.3. Final

Quase seis anos depois a morte do marido, veio ela a falecer por assistolia,[31] às doze horas do dia 15 de novembro de 1936,[31] em Tubarão,[31] conforme atestado do Dr. Asdrúbal Costa (o mesmo que atestou o falecimento do marido, José). Foi declarante da morte de Maria Caetana o Sr. Julio Victor Rodrigues, ferroviário, em 16 de novembro. Maria faleceu aos 64 anos, deixando vivos os seus doze filhos, espalhados por várias localidades de Santa Catarina e Rio Grande do Sul.

 

Cronologia

Data, idade na ocasião e breve descrição dos acontecimentos pessoais e históricos ao longo da vida de Maria Caetana

1.o de agosto, 1872 0 Nasce, filha de Caetano Joaquim da Silva Araújo e Guilhermina Silvina de Souza, em Tubarão
15 de agosto 1872 0 É batizada em Tubarão, afilhada de João Martins Mendonça e Nossa Senhora
±1874 ±2 Nasce o irmão Antonio Caetano, em Tubarão
25 de julho, 1876 4 Nasce o irmão José Lizenando, em Tubarão
 ±1878 ±6 Nasce a irmã, Hermínia Lídia
±1880 ±8 Nasce o irmão, Garcindo Bonifácio
±1881 ±9 Período em São Joaquim da Costa da Serra
±1883 ±11 Retorno a Tubarão
4 de outubro, 1883
11 Nasce a irmã, Honorina, em Tubarão
1887 ±15 Parte da ferrovia é destruída pela enchente do Rio Tubarão
entre
1883 e 1892
±15 Mudança para Pedras Grandes
13 de maio, 1888 15 Promulgação da Lei Áurea
15 de novembro, 1889 17 Proclamação da República
18 de novembro, 1892 20 Casamento civil com José Sebastião do Nascimento, em Pedras Grandes
7 de fevereiro, 1893 20 Casamento religioso com José Sebastião do Nascimento, em Pedras Grandes
14 de junho, 1893 20 O marido é nomeado Tenente em Tubarão
7 de setembro, 1893 21 É testemunha de casamento da irmã, Hermínia, com Isaac Antunes de Medeiros, em Pedras Grandes
19 de dezembro, 1893 33 Nasce o primeiro filho, Leovegildo Elói, em Pedras Grandes
28 de abril, 1894 21 O marido é nomeado Subcomissário de Polícia de Pedras Grandes
19 de junho, 1895 22 Nasce o 2.o filho, Adolpho, em Pedras Grandes
5 de julho, 1896 23 O marido é exonerado a pedido do cargo de Subcomissário de Polícia de Pedras Grandes
2 de novembro, 1896 24 Nasce a 3.a filha, Laura, em Pedras Grandes
10 de abril, 1898 25 Nasce o 4.o filho, Dimas, em Pedras Grandes
24 de setembro, 1899 27 Nasce o 5.o filho, João Carlos, em Pedras Grandes
27 de julho, 1901 27 Casa-se o irmão Antonio Caetano, em Azambuja.
5 de janeiro, 1902 29 Nasce o 6.o filho, Pedro, em Pedras Grandes
1902 30 Donna Thereza Christina Railway Company deixa de operar. A ferrovia é adotada pelo o governo brasileiro.
1.o de julho, 1903 30 Nasce o 7.o filho, Paulo, em Pedras Grandes
±1904 ±32 Nasce o 8.o filho, João, em Orleães
14 de julho, 1906 33 Casa-se o irmão José Lizenando, em Azambuja.
±1907 ±35 Nasce a 9.a filha, Maria, em Orleães
29 de outubro, 1909 37 Nasce o 10.o filho, Lothar, em Orleães
5 de fevereiro, 1910 37 Casa-se o irmão Garcindo Bonifácio, em Pedras Grandes.
20 de junho, 1911 38 Falece o pai, Caetano Araújo.
±1911 ±39 Retorna a Tubarão
±1912 ±40 Nasce o 11.a filha, Antonia, em Orleães ou Tubarão
24 de janeiro, 1914 41 Casa-se o irmão João Elpídio, em Pedras Grandes.
1915 42 Nasce o 12.a filha, Dona Lôra, em Tubarão
23 de janeiro, 1922 49 Falece a mãe, Guilhermina de Souza.
±1922 ±50 Casamento do filho João Carlos, talvez em Canoas, no Rio Grande do Sul
19 de janeiro, 1931 58 Falece o marido, José Sebastião
15 de novembro, 1936 64 Falece por assistolia, ao meio-dia.

 

Agradecimentos

Primeiro, obrigada ao meu pai, por ter sido meu companheiro de pesquisas, documentação e preservação. À Dona Lôra e família, muito obrigada pelas informações preciosas e inéditas.

Mas principalmente à Maria Caetana, deixo aqui meu agradecimento sem dimensões, por, em consequência da vida que viveu, ter sido a minha primeira bisavó, através do seu décimo filho.

Profundamente, literalmente:

– Obrigada pela existência.

 Da bisneta Helga, em fevereiro de 2015.

–×××–

Veja também:

 



Fontes
[1.1] [1.2] [1.3] [1.4] [1.5] [1.6] [1.7] [1.8] [1.9] [1.10] [1.11] [1.12] Registro de batismo de Maria, acessado em 4 de fevereiro de 2015. Index and images, FamilySearch: “Brasil, Santa Catarina, Registros da Igreja Católica, 1714-1977”: Tubarão: Nossa Senhora da Piedade: Batismos 1869, Set-1875, Nov: imagem 132 de 248.
batismo de maria araujo
[2.1] [2.2] Registro de Batismo de Maria, accessed 1 January 2015. Index and images, FamilySearch: “Brasil, Santa Catarina, Registros da Igreja Católica, 1714-1977,” Tubarão: Nossa Senhora da Piedade: Batismos 1861, Mar-1882, Fev: image 73 of 237.
[3] Registro de batismo de Lídia, accessed 1 January 2015. index and images, FamilySearch: “Brasil, Santa Catarina, Registros da Igreja Católica, 1714-1977”: Tubarão: Nossa Senhora da Piedade: Batismos 1865, Fev-1869, Set: image 46 of 220.
[4] Registro de batismo de Belmira, accessed 7 February 2015. Index and images, FamilySearch: “Brasil, Santa Catarina, Registros da Igreja Católica, 1714-1977”: Tubarão: Nossa Senhora da Piedade: Batismos 1865, Fev-1869, Set: image 205 of 220.
[5.1] [5.2] [5.3] [5.4] [5.5] [5.6] [5.7] [5.8] Registro de Óbito de Caetano Araújo, acessado em 7 de fevereiro de 2015. Images, FamilySearch: “Brasil, Santa Catarina, Registro Civil, 1850-1999”: Pedras Grandes: Pedras Grandes: Óbitos 1892, Maio-1926, Jun: image 115 of 203
[6] VENÂNCIO, Renato Pinto. A madrinha ausente: condição feminina no Rio de Janeiro, 1750-1800. In: COSTA, Iraci del Nero da. Brasil: História Econômica e Demográfica. São Paulo: IPE-USP, 1986, p. 97. In: ANDRADE, Rômulo Garcia de. A População Escrava e Suas Relações de Parentesco em Uma Freguesia do Sul Fluminense – Mangaratiba, 1802-1816 (PDF). Pg.3, Nota 6.
[7] Registro de batismo de José de Araújo, accessed 7 February 2015. Index and images, FamilySearch: “Brasil, Santa Catarina, Registros da Igreja Católica, 1714-1977”: Tubarão: Nossa Senhora da Piedade: Batismos 1875, Nov-1879, Jun:  image 53 of 183.
[8] Registro de batismo de Honorina, accessed 7 February 2015. “Brasil, Santa Catarina, Registros da Igreja Católica, 1714-1977,” index and images, FamilySearch: Tubarão: Nossa Senhora da Piedade: Batismos 1880, Abr-1884, Mar: image 217 of 233.
[9.1] [9.2] [9.3] [9.4] [9.5] Memórias da filha caçula de Maria Caetana, coletadas pela autora em entrevista em Viamão, Rio Grande do Sul, Brasil, em dezembro de 2012.
[10] PERES, Tirsa Regazzini. Educação Brasileira no Império (PDF). São Paulo: Unesp, 2010. p.14, §3.
[11.1] [11.2] [11.3] [11.4] [11.5] [11.6] [11.7] [11.8]
“Brasil, Santa Catarina, Registro Civil, 1850-1999,” images, FamilySearch  Registro de Casamento Civil de José Sebastião do Nascimento e Maria Caetana de Araújo, Images, FamilySearch. “Brasil, Santa Catarina, Registro Civil, 1850-1999,”: Pedras Grandes: Pedras Grandes: Matrimônios 1892, Jun-1913, Jul: imagem 4 de 206.

Registro de Casamento Civil de José e Maria

[12.1] [12.2] [12.3] [12.4] Registro de Casamento Religioso de José Sebastião do Nascimento e Maria Caetana de Araújo, acessado em 22 de dezembro de 2014. Index and images, FamilySearch: “Brasil, Santa Catarina, Registros da Igreja Católica, 1714-1977”: Tubarão: Nossa Senhora da Piedade: Matrimônios 1891, Jun-1894, Abr: imagem 31 de 55.

cas rel jose e maria

[13] Registro de Nascimento de Leovegildo, acessado em 18 de janeiro de 2015. Images, FamilySearch: “Brasil, Santa Catarina, Registro Civil, 1850-1999”: Pedras Grandes: Pedras Grandes: Nascimentos 1892, Maio-1904, Ago: image 47 of 207.
[14] Registro de Nascimento de Adolpho, acessado em 18 de janeiro de 2015. Images, FamilySearch: “Brasil, Santa Catarina, Registro Civil, 1850-1999”: Pedras Grandes: Pedras Grandes: Nascimentos 1892, Maio-1904, Ago: image 84 of 207.
[15] Registro de nascimento de Laura, acessado em 18 de janeiro de 2015. Images, FamilySearch: “Brasil, Santa Catarina, Registro Civil, 1850-1999”: Pedras Grandes: Pedras Grandes :Nascimentos 1892, Maio-1904, Ago: imagem 117 de 207.
[16] Registro de nascimento de Dimas, acessado em 18 de janeiro de 2015. Images, FamilySearch Brasil: Santa Catarina, Registro Civil, 1850-1999″: Pedras Grandes: Pedras Grandes: Nascimentos 1892, Maio-1904, Ago: imagem 141 de 207.
[17] Registro de Nascimento de José, acessado em 10 de janeiro de 2015. Images, FamilySearch: “Brasil, Santa Catarina, Registro Civil, 1850-1999”: Pedras Grandes: Pedras Grandes: Nascimentos 1892, Maio-1904, Ago; imagem 161 de 207.
[18] Registro de Nascimento de Pedro, acessado em 18 de janeiro de 2015. Images, FamilySearch: “Brasil, Santa Catarina, Registro Civil, 1850-1999”: Pedras Grandes: Pedras Grandes: Nascimentos 1892, Maio-1904, Ago: imagem 193 de 207.
[19] Registro de Nascimento de Paulo, acessado em 18 de janeiro de 2015. Images, FamilySearch: “Brasil, Santa Catarina, Registro Civil, 1850-1999”: Pedras Grandes: Pedras Grandes: Nascimentos 1892, Maio-1904, Ago; imagem 197 de 207.
[20.1] [20.2] Registro de casamento de João Nascimento e Beatriz Kochler, acessado em 2 de fevereiro de 2015. Images, FamilySearch: “Brasil, Rio Grande do Sul, Registros da Igreja Católica, 1738-1952”: Porto Alegre: São José dos Alemães: Matrimônios 1923, Maio-1942, Jul: imagem 7 de 42.
[21] Registro de nascimento de Lothar, acessado em 11 de dezembro de 2014. Images, FamilySearch: “Brasil, Santa Catarina, Registro Civil, 1850-1999”: Orleans: Orleans: Nascimentos 1909, Maio-1911, Mar: imagem 85 de 229.
[22] Notícia de José S. do Nascimento, 1896. Hemeroteca Digital Brasileira. Jornal “A República”, Ano VII,  N.o 6, 18 de julho de 1896, 1.a Pág., 2.a Col., 2.a Linha.

[24] Registro de casamento de Antonio e Locinda, accessed 7 February 2015. Images, FamilySearch , “Brasil, Santa Catarina, Registro Civil, 1850-1999”; Brasil, Santa Catarina, Registro Civil, 1850-1999: Pedras Grandes: Pedras Grandes: Matrimônios 1900, Nov-1918, Jul: image 7 of 205.
[25] Registro de casamento de José Araujo e Maria Alexandrina, accessed 7 February 2015. Images, FamilySearch: “Brasil, Santa Catarina, Registro Civil, 1850-1999”: Pedras Grandes: Pedras Grandes; Matrimônios 1900, Nov-1918, Jul: image 35 of 205.
[26] Registro de casamento de Lídia e Isaac, accessed 7 February 2015. Images, FamilySearch. “Brasil, Santa Catarina, Registro Civil, 1850-1999”: Pedras Grandes: Pedras Grandes: Matrimônios 1892, Jun-1913, Jul: image 8 of 206
[27] Registro de casamento de Garcindo e Maria Feliciana, accessed 7 February 2015″Brasil, Santa Catarina, Registro Civil, 1850-1999,” images, FamilySearch: Pedras Grandes: Pedras Grandes: Matrimônios 1892, Jun-1913, Jul: image 169 of 206.
[28] Registro de casamento de José Araújo e Doralice Rodrigues, accessed 7 February 2015. “Brasil, Santa Catarina, Registro Civil, 1850-1999,” images, FamilySearch: Pedras Grandes: Pedras Grandes: Matrimônios 1913, Jul-1931, Jul: image 11 of 205.
[29.1] [29.2] Registro de óbito de Guilhermina, accessed 7 February 2015. “Brasil, Santa Catarina, Registro Civil, 1850-1999,” images, FamilySearch: Orleans: Pindotiba: Óbitos 1915, Maio-1922, Set; image 94 of 103.
[30] Registro de Óbito de José Sebastião do Nascimento, acessado em 22 de dezembro de 2014. Images, FamilySearch: “Brasil, Santa Catarina, Registro Civil, 1850-1999,”: Tubarão: Tubarão: Óbitos 1930, Fev-1933, Jun: imagem 62 de 202.

Óbito de José Sebastião do Nascimento

[31.1] [31.2] [31.3] Registro de Óbito de Maria Araújo do Nascimento, accessed 22 December 2014. images, FamilySearch: “Brasil, Santa Catarina, Registro Civil, 1850-1999”: Tubarão: Tubarão: Óbitos 1936, Mar-1938, Maio: image 41 of 203; N.o 11 98.obito maria araujo 2 copy

José Sebastião do Nascimento

Ele viu acontecer a abolição da escravatura, a queda do Império e a ferrovia em Santa Catarina. Mais de 155 anos após seu nascimento, uma filha sua ainda vive.
Conheça a história de José Sebastião do Nascimento.

*20.01.1860 Biguaçu SC          †19.01.1931 Tubarão SC

• Vide a genealogia de José Sebastião do Nascimento
 Síntese

José Sebastião do Nascimento viveu entre 1860 e 1931. Foi integrante da Guarda Nacional, participou do Comissariado de Polícia e trabalhou na construção e manutenção da Estrada de Ferro Donna Thereza Christina, em várias cidades de Santa Catarina. Nasceu em Biguaçu, e foi um homem de família e pai de doze filhos.

Assinatura de José Sebastião, na ocasião de seu casamento civil, em 1892.

Assinatura de José Sebastião, na ocasião de seu casamento civil, em 1892.

Nota

Algum tempo após o término desta biografia, emergiu o que para mim é das coisas mais interessantes sobre José Sebastião. A sua filha caçula mandou, através de uma neta, a seguinte mensagem:

” Uma das coisas que ela comentou foi que, de acordo
com sua lembrança, seu pai teria a deixado bem no dia
do aniversário, e com uma certa premonição sobre o
fato, o que era bem comum.
O Sr. José tinha premonições e uma delas foi
justamente sobre esse dia.

 ♠ Quem tem premonições? Eu tenho. Mas só as que não procuro ter. ♠

1. Primeira parte:
Crescendo na Terra Firme

 1.1. Nascimento

José Sebastião do Nascimento nasceu em São Miguel da Terra Firme – atual Biguaçu, Santa Catarina, Brasil, em 20 de janeiro de 1860,[1] numa sexta-feira. O lugar é logo ao norte do lado continental de Florianópolis, o período histórico é o do segundo reinado, e a data é uma das oito datas de festas religiosas comemoradas anualmente em Biguaçu: A Festa de São Sebastião.

Filho legítimo de Manoel José do Nascimento[1] e de Carlota Cândida Coelho,[1] foi batizado na quinta-feira de 12 de abril do mesmo ano,[1] na igreja matriz da antiga freguesia de São Miguel da Terra Firme.[1]

Igreja São Miguel Arcanjo, centro histórico de Biguaçu. Tombada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Arquitetônico Nacional.

Onde José foi batizado: A Igreja São Miguel Arcanjo, reconstruída em 1798, a 7km do centro histórico de Biguaçu. Tombada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Arquitetônico Nacional. Imagem disponibilizada por VitaArquitetura.com.br. Sem data, autor desconhecido. Editada por Helga.

Era neto paterno de Manoel José do Nascimento[2] e Aniceta Francisca das Chagas,[2] e neto materno de Jeremias Coelho Vieira[2] e Maria Coelho.[2] Foram registrados “Protectora Nossa Senhora. e o Reverendo Vigário desta m.ma Freguesia o Padre Manoel Amancio Barrêto[1] como seus padrinhos.[1]

 

1.2. Infância e adolescência

1.2.1 Religiosidade

A devoção católica é evidente na família de José, cuja madrinha era a invocação de Nossa Senhora, e padrinho, o vigário da Paróquia – o que era, aliás, contra a lei canônica da época. Segundo Rômulo Garcia de Andrade, “Venâncio [Renato Pinto] abordou a ausência fisica de mulheres na cerimônia de batismo de pessoas livres […] A opção por N. Sra. como madrinha embutia uma permuta: N. Sra. ganhava um afilhado e em troca protegia a mãe na hora do parto.[3]

Quanto à escolha do vigário para padrinho, poderia-se inferir que foi: uma escolha por um padrinho com poder de intermediação junto ao divino, segundo a crença na fé hierarquizada naquela época; ou uma escolha por um padrinho com algum grau de posses e mais apto a exercer influência, ou a obter favores na comunidade local.[4]

Além disso, José adotou o nome de São Sebastião como seu segundo nome, prestando homenagem por ter nascido em 20 de janeiro, dia deste Santo. Da mesma forma, o primeiro filho de José também ganhou um segundo nome em homenagem ao santo do dia em que nasceu: assim, chamava-se Leovegildo Elói (em homenagem a Santo Elói).

 

 1.2.2. Escolaridade

A única evidência de alguma escolariadade de José Sebastião é o fato de ter sido alfabetizado, sendo que tinha possibilidade de votar, e demonstrando certa destreza ao assinar o nome. Provavelmente, freqüentou a escola primária masculina de São Miguel, que ali já existia desde 27 de agosto de 1831.[5]

No contexto do segundo império, a alfabetização de José Sebastião foi um privilégio. Em 1867, quando ele contava sete anos, somando-se todas as províncias do Brasil, “[…] Aproximadamente, dos 1.200.000 indivíduos em idade escolar, apenas 120 mil recebiam instrução primária, ou seja, a décima parte da população, ou ainda um indivíduo por 80 habitantes. [AZEVEDO, 1958, p. 82]”[6](grifo adicionado).

 

1.2.3. Família na terra firme

Enfim, quase nada se sabe da infância de José em São Miguel. Mas é possível, em algum grau, imaginar a dinâmica da inserção de José nas famílias Nascimento (de seu pai) e Coelho (de sua mãe).

José teve pelo menos um irmão mais velho, chamado Manoel José do Nascimento Neto e casado em Biguaçu em 15 de fevereiro de 1873,[7] com Ana Luísa do Sacramento. Nasceu no décimo sexto ano de casamento de seus pais. Não foi encontrado nenhum registro de outros filhos do casal em Biguaçu, além deste irmão, Manoel, que a julgar pela data do casamento, e pelo nome herdado do pai e do avô, era provavelmente o primeiro filho da família.

O menino teve, no entanto, vários primos em primeiro grau, dos quais alguns, presumivelmente, não chegou a conhecer. Os tios por parte de pai, cujos batismos dos filhos encontram-se todos na freguesia vizinha de São Pedro de Alcântara, foram pelo menos estes:

  • João José do Nascimento, casado com Luísa Cândida Coelho, e pai de Manoel, nascida em 1855; e Maria, nascida em 1856, e afilhada dos avós paternos de José Sebastião – em São Pedro de Alcântara;
  • Joaquim José do Nascimento, casado com Josefa Tomásia Pereira, e pai de Tomásia, nascida em 1861; e João, nascido em 1866 – em São Pedro de Alcântara;
  • Francisco José do Nascimento, casado com Maria Luísa de Alpis, e pai de Aniceta, nascida em 1861, em – em São Pedro de Alcântara;
  • Henrique José do Nascimento, casado com Angélica Rosa de Jesus, e pai de Maria, nascida em 1868, em São Pedro de Alcântara.

Tendo em conta que os avós de José Sebastião foram os padrinhos da neta Maria, (batizada em 26 de junho de 1856, em São Pedro de Alcântara), eles provavelmente também estiveram ali radicados. Assim, não se sabe se houve contato relevante de José Sebastião com os seus avós paternos, mas presume-se que se existiu convívio, averá sido ocasional.

Mapa. "Plano Hidrográfico da Ilha de Santa Catharina e da terra firme adjacente." 1814, Paulo Joze Miguel de Brito. Colorido por HelgaLabs.

A localização das freguesias na terra firme: São Miguel, São José e São Pedro de Alcântara em relacão à Ilha de Santa Catharina – Florianópolis. Mapa “Plano Hydrográphico da Ilha de Santa Catharina e da Terra fime adjacente rectificado no anno de 1814 – Por Paulo Joze Miguel de Brito”. Disponibilizado por Colonizadores da Ilha de Santa Catarina (vide fontes). Editado por Helga.

Os tios por parte de mãe, no entanto, encontravam-se principalmente em São Miguel e ocasionalmente em São José. Eram, pelo menos, quatro:

  • Senhorinha de Liz Coelho, casada com Joaquim Antonio Coelho, e mãe de José, nascido em 1845; Senhorinha, nascida em 1850; Cândido, nascido em 1852; e Laurinda, nascida em 1855 – todos filhos batizados em São Miguel.
  • Constança Coelho de Jesus, casada com Manoel Pereira de souza, e mãe de Maria, nascida em 1865; Amaro, nascido em 1868; e Cândido, nascido em 1870, e afilhado dos pais de José Sebastião – todos filhos batizados em São Miguel.
  • Maria Coelho do Sacramento, casada com Miguel Machado de Simas, e mãe de Cipriano, nascido em 1874; e Maria, nascida em 1875 – todos filhos batizados em São Miguel.
  • Jeremias Coelho Vieira (Filho), casado com Maria Joaquina, e pai de José, nascido em 1871; e João, nascido em 1872 – todos filhos batizados em São José.

Assim sendo, como se vê abaixo, além dos parentes mais próximos, José tinha também uma considerável quantidade de primos-irmãos contemporâneos, dentre os quais, alguns quase coetâneos. Viviam também na freguesia de São Miguel, ou nas proximidades de São José ou São Pedro de Alcântara:

 

Familiares de José Sebastião em São Miguel, São José e São Pedro de Alcântara: pais, avós, irmão, cunhada, sobrinhos, tios e primos. Feito por Helga, janeiro de 2015.

A avó materna, Maria Coelho, havia falecido em 1859, e portanto José não a conheceu. Já o avô materno, Jeremias Coelho Vieira, faleceu com muita idade – segundo consta, aos noventa anos – e, tendo falecido, e provavelmente vivido seus últimos anos em Biguaçu, deve ter tido oportunidade de algum convívio com os netos, dentre os quais José Sebastião, até os seus 12 anos.

O irmão de José, Manoel, teve pelo menos dois filhos em São Miguel – Biguaçu, a saber: Maria, nascida em 1874, e Manoel, nascido em 1876.  Manoel é o único irmão de José de quem se tem notícia, e o único familiar a quem ele ainda visitava esporadicamente em Biguaçu, na vida adulta. Assim, a nova família de Manoel possivelmente tomou um pouco do espaço de José Sebastião na vida familiar, durante o desenrolar de sua adolescência.

Mas todos os vínculos familiares e afetivos de José na sua terra natal, por mais fortes ou fracos que tenham sido, ficariam para trás. José Sebastião deixaria a região de Biguaçu e arredores para não mais voltar em definitivo, e passaria a visitá-la com raridade.[8]

Abaixo, está uma galeria de imagens de Biguaçu como ou à similitude do que teria visto José, na sua infância:

 

1.2.4. A relação com São Miguel – Biguaçu

É parte das memórias de seus filhos que José acreditava ser descendente de índios e portugueses, considerando-se “filho da terra de Biguaçu”,[8] embora nada conste a este respeito em qualquer registro seu ou de seus antepassados até o momento. Aqui, fica quase tudo a cargo da imaginação. O que levou José Sebastião a acreditar ser ou se sentir de origem indígena está perdido no tempo, e além das fontes documentais. Talvez tenha sido uma forte identificação com o local. Ou um mito de família, que tende a ser mais estigma e romantismo do que realidade, super-representando influências indígenas que poderiam estar já muito diluídas ao longo das gerações.

Quanto a uma tendência ao entrelaçamento cultural entre os povos indígenas e europeus, que como no Brasil, se observou também em Biguaçu, a sumariza bem Lourival Câmara, sucintamente:

“Pedro Calmon, ao estudar a história social do Brasil, notou que, nos primórdios do povoamento, o elemento indígena passou, paradoxalmente, de assimilando a assimilador, transfundindo no elemento português a sua organização, a sua língua, as suas crenças, os seus costumes.
Esses mesmo paradoxo no litoral catarinense. Os açoreanos herdaram costumes indígenas e os transmitiram aos seus descendentes.”[5](grifos adicionados).

Quanto à periodicidade de seus regressos à sua terra natal, era modesta. Sendo o filho temporão, José já havia perdido o pai quando se casou; e na época da infância de seus filhos mais jovens, ambos seus pais eram já falecidos.[8] Nesta época visitava Biguaçu para rever apenas o irmão, Manoel,[8] e com pouca freqüência,[8] devido à grande dificuldade de acesso ao local.[8]

 

2. Segunda parte:
A vida adulta no Vale do Rio Tubarão

2.1. A vida profissional

2.1.1. A mudança para Pedras Grandes

José Sebastião atingiu a maioridade nas últimas décadas do século XIX, ao mesmo passo em que Biguaçu começava a encontrar o seu declínio econômico, e outras oportunidades surgiam no interior de Santa Catarina. Um dos fatores que contribuíram para a decadência do local foi a redução da importância da rota portuária em que Biguaçu se localizava, em decorrência de novas vias de acesso pelo meio terrestre, melhor interligando o estado.[9]

O município que atualmente é Lauro Müller, no extremo sul catarinense, era conhecido desde 1841 como Minas, devido à descoberta de jazidas de carvão mineral no local.[10] Em de 1874, uma concessão foi obtida para a construção de uma ferrovia ligando as minas à região portuária, impulsionando a imigração para o local e acarretando o início da construção da Estrada de Ferro Donna Thereza Christina (atual Ferrovia Tereza Cristina), em 1880.

Assim, talvez atraído pela promessa do desenvolvimento econômico do Vale do Rio Tubarão, e provavelmente com não mais de vinte anos, José transferiu-se para Pedras Grandes ou arredores, onde foi morador.[11]

 

 2.1.2. O trabalho na Estrada de Ferro

José trabalhou nas obras de construção da Estrada de Ferro Donna Thereza Christina,[8] que ligava os municípios catarinenses de Lauro Müller, Pedras Grandes, Orleães, Tubarão, Laguna e Imbituba, entre outros. A principal função desta ferrovia era inicialmente o transporte de carga – especificamente, da produção de carvão mineral no extremo sul catarinense até os portos de Imbituba e Laguna. Quanto às condições de trabalho, segundo Alcides Goularti Filho e Ângela Maria Antunes do Livramento, em março de 1891, os operários da ferrovia pararam pela primeira vez, em protesto aos “baixos salários e péssimas condições de trabalho”.[12]

Trabalhador na Estação de Tubarão da ferrovia Tereza-Cristina

Trabalhador na Estação de Tubarão da Estrada de Ferro Donna Tereza Cristina (EFDTC). Cartão Postal dos EUA. Imagem disponibilizada por João Luís V. Teixeira, 07.02.2011, via AmantesDaFerrovia.com.br (vide fontes). Sem data, autor desconhecido.

Subseqüentemente às obras de construção, coube-lhe o cargo de feitor da turma de conservação.[8] Segundo o Prof. Anderson Soares André, contando a história de Pindotiba (distrito de Orleães), e descrevendo o trabalho na Estrada de Ferro entre Lauro Müller e Tubarão, “Na conservação da Estrada de Ferro, além do mestre de linha havia um feitor com oito homens para cada oito quilômetros.”[13]

Conservação da estação em Palmeira, localidade de Orleães.

Conservação da ferrovia em Palmeira, localidade de Orleães. Um trecho do leito da ferrovia parece ter sido levado pela erosão, como os dormentes, presos ao trilhos, não parecem contar com nenhum apoio. O vagão do trem parece transportar trabalhadores para realizar os reparos. Imagem disponibilizada por Anderson Soares André, em “História de Pindotiba” (vide fontes).  Sem data, autor desconhecido.

 a Estrada de Ferro ontem e hoje

Na galeria abaixo, estão mapas de localização da E.F.D.T.C. e uma uma seleção de fotos antigas de localidades do trecho Lauro Müller – Laguna.

 

Para os curiosos, segue vídeo da Tereza Cristina, funcionando em 2013 – disponibilizado por Andreas Illert:

notas sobre a profissão de José Sebastião

Em registros de nascimento de um de seus filhos, e como testemunha de casamento civil,  declarou ser um trabalhador “de agência”, expressão genérica que atualmente poderia equivaler a um trabalhador autônomo, como explica Ivan de Andrade Vellasco.[14]

Porém, em outros registros de nascimento de seus filhos, seu ofício foi descrito como “lavrador”, acerca do que, até o momento, não há esclarecimento sobre a freqüência, veracidade e natureza de tal atividade.

Em 5 de fevereiro de 1910, sendo testemunha do casamento do cunhado Garcindo Bonifácio, assina e se declara da seguinte forma:

Screen Shot 2015-02-09 at 10.44.16 PM

“José Sebastião do Nascimento com 46 annos de idade Empregado Público morador no Dristricto [sic] de Orleans do Sul.”

E em 4 de junho do mesmo ano, como testemunha de casamento de Albino Pereira e Rosa Bittencourt Rocha:

Screen Shot 2015-02-09 at 10.44.47 PM

“José Sebastião do Nascimento com 46 annos de idade Empregado da Estrada de Ferro, Rezidente no dristrito [sic] de Orleans do Sul.”

2.2. A vida afetiva

2.2.1. O encontro com Maria Caetana

Em Pedras Grandes, deve ter vindo a conhecer a futura esposa Maria Caetana de Araújo, moradora na mesma cidade[11] e filha de Caetano Joaquim da Silva Araújo[11] e Guilhermina Silvina de Souza.[11]

É de se imaginar que  a tenha conhecido através de algum membro da família da qual viria a fazer parte. Explorando essas possíveis conexões, o futuro cunhado, Antonio Caetano de Araújo,  assim como José Sebastião, foi integrante da Guarda Nacional em Pedras Grandes. Parece ter sido seu amigo também Isaac Antunes de Medeiros, que também fazia parte da Guarda Nacional e que no futuro veio a casar-se com uma irmã de Maria Caetana. Além do mais, a profissão dos ferroviários também permeou a família de Maria Caetana, como foi o caso de pelo menos um sobrinho, que era filho do já citado Isaac de Medeiros.

 

2.2.2. O casamento

José Sebastião casou-se aos 32 anos [15] (apesar de ter declarado contar 29 anos)[15] com Maria Caetana de Araújo,[15] que era doze anos mais jovem,[15] em cerimônia civil em casa das audiências do Juiz de Paz Roberto Schufler, em Pedras Grandes[15] em 18 de novembro de 1892.[15] Foram testemunhas os amigos – que também faziam parte da Guarda Nacional – José Avelino Pacheco dos Reis,[15] de 41 anos, negociante e residente em Pedras Grandes,[15] e Friedrich Dörner,[15] de 31 anos, seleiro e residente na freguesia de Tubarão.[15] A cerimônia religiosa aconteceu na capela de Pedras Grandes,[11] em 7 de fevereiro de 1893,[11]terça-feira, sendo testemunhas José Maurício dos Santos,[11] que também era integrante da Guarda Nacional, e novamente José Avelino Pacheco dos Reis.[11]

a igreja de Pedras Grandes. Fonte: Portal de Pedras Grandes. Sem data.

a igreja de Pedras Grandes. Fonte: Portal de Pedras Grandes (vide fontes). Sem data, autor desconhecido.

 

2.2.3. Os filhos

Ao longo de seus quase trinta e nove anos de casamento com Maria, José teve doze filhos nos primeiros vinte e dois anos de casado, de modo que como ocorre, o movimento da família se reflete nos registros de nascimento da prole. Considerando-se a condição de seu trabalho, que ao menos na fase de construção da ferrovia teria sido de natureza braçal e árdua, pode-se imaginar o desafio de criar doze filhos, aos quais apesar do estilo de vida simples e trabalhoso, não faltaram abrigo, víveres ou educação.[8]

Em poucos mais de duas décadas muito intensas, José Sebastião e Maria Caetana tiveram os seguintes filhos:

    1. Leovegildo Elói Nascimento, nascido em 19 de dezembro de 1893, em Pedras Grandes. Testemunhas: José Avelino Pacheco dos Reis e Isaac Antunes de Medeiros.[16]
    2. Adolpho Nascimento, nascido em 19 de junho de 1895, em Pedras Grandes. Testemunhas: Boaventura Costa de Mello e Isaac Antunes de Medeiros.[17]
    3. Laura Nascimento, nascida às 5 horas e 30 minutos de 2 de novembro de 1896, em Pedras Grandes. Testemunhas: Juvêncio Francisco Borges e Jacintho Eleodoro Nunes.[18]
    4. Dimas Nascimento, nascido às 16 horas e 30 minutos de 10 de abril de 1898, em Pedras Grandes. Testemunhas: Juvêncio Francisco Borges e José Francisco Borges.[19]
    5. José Carlos Nascimento, nascido às 21 horas de 24 de setembro de 1899, em Pedras Grandes. Testemunhas: Antonio Bratti e Manuel Francisco Godinho.[20] Como sugere uma foto de família, José Carlos, conhecido como Joca, teria completado Bodas de Prata em 1947, em Canoas, Rio Grande do Sul.

      Possivelmente, José Carlos, o tio "Joca" e família, em 1947, Viamão. Acervo de família.

      (Foto de família ainda não identificada) – Possivelmente, no centro está José Carlos, o tio “Joca”, ao lado da esposa e filhos, em 1947, em Canoas, Rio Grande do Sul. Acervo da Helga.

    6. Pedro Nascimento, nascido em 5 de janeiro de 1902, em Pedras Grandes. Testemunhas: Juvêncio Francisco Borges e Sabino Luciano Pereira.[21]
    7. Paulo Nascimento, nascido às 6 horas de 1.o de julho de 1903, em Pedras Grandes. Testemunhas: João Rodrigues Machado e Manoel José Pereira.[22]
    8. João Pio Nascimento, nascimento estimado por volta de 1904, em Orleães. Casou em 1935 com Beatriz Kochler, em Porto Alegre[23] Foi testemunha o irmão mais moço, Lothar.[23] As fotos abaixo pertenciam a Lothar Nascimento e são de um de seus irmãos, porém ainda não identificado. Assim sendo, estão atribuídas a João Nascimento, com quem Lothar, que morava em Porto Alegre, teria mais chances de ter mantido contato. Fotos do acervo da Helga.PB sem verso0002 Fotos PB0024
    9. Maria Nascimento, nascimento estimado por volta de 1907, em Orleães.
    10. Lothar Nascimento, nascido em 29 de outubro de 1909, na localidade de Oratório, Orleães. Testemunhas: Jorge Salomão Boabard e João Antonio da Motta.[24] Casou-se com Erna Nilles em Porto Alegre, em 1933.

      Lothar Nascimento, a esposa Erna, e os primeiros dois filhos, no Natal de 1942.

      Lothar Nascimento, com a esposa Erna, e os primeiros dois filhos do casal, no Natal de 1942. Acervo da Helga.

    11. Antonia Nascimento, nascimento estimado por volta de 1912, em Orleães ou Tubarão.
    12. “Dona Lôra” Nascimento, (é usado o apelido para proteger a privacidade) nascida em 1915 em Tubarão.
      Com quase 100 anos, continua lúcida e ativa (fevereiro de 2015). Muitas exclamações não bastariam para expressar a sorte de poder ter conhecido a Dona Lôra.

 

2.2.4. As afinidades

José Sebastião tinha amigos na Guarda Nacional e no Comissariado de Polícia de Pedras Grandes, o que possivelmente era uma afinidade mais enraizada na propensão política amplamente republicana dessas entidades, do que num convívio ocupacional – pois a Guarda Nacional não era ativa, salvo circunstancialmente, em situações de conflito.

As testemunhas de seus casamentos civil[15] e religioso,[11] a saber: Frederico Dönner,[15] José Avelino Pacheco dos Reis[11][15] (que também era Juiz de Paz em Pedras Grandes, em 1896)[25] e José Maurício dos Santos,[11] todos foram integrantes da Guarda Nacional.

Isaac Antunes de Medeiros, que também foi da Guarda, foi testemunha de nascimento do primeiro filho,[16] Leovegildo, em dezembro de 1893[16]. Alguns meses antes, foram José Sebastião e Maria Caetana a testemunhar o casamento civil que uniu Isaac à irmã de Maria Caetana, a jovem Hermínia Lídia de Araújo.

O 1.o suplente do cargo de Subcomissário de polícia,[26] Boaventura Costa de Mello, foi testemunha[17] de nascimento de Adolpho, o segundo filho de José, em 1895.[17]

As testemunhas escolhidas para os filhos a partir de 1896 não parecem relacionadas nem com a milícia cidadã, nem com a polícia, levando a crer que o afastamento de José Sebastião das funções públicas tenha influenciado o seu círculo social.

Antes de se estabelecer em definitivo em Tubarão, José Sebastião e família viviam na localidade de Oratório, em Orleães. Os sogros, com quem deve ter tido contato mais freqüente do que com os próprios familiares consangüíneos, moravam na localidade de Palmeiras (atualmente, Pindotiba), também em Orleães. Pedras Grandes e Orleães foram inicialmente colônias destinadas a assentar, na sua maioria, colonos vindos da Itália, Letônia, Polônia, e também – note, também colonos nacionais.

Duas testemunhas de nascimento de seus filhos e uma do seu casamento, por exemplo, eram Antonio Bratti, Jorge Salomão Boabard e Frederico (assinou “Friedrich”) Dönner – que aparentemente seriam imigrantes. Dois de seus filhos receberam nomes muitos mais comuns entre alemães do que entre lusófonos – Adolpho, em 1895, e Lothar, em 1909.

Como explicado anteriormente, ele não se autodefinia e nem se apresentava como sendo de origem tão-somente lusitana. Portanto, nada leva a crer que xenofobia ou eurocentrismo estivessem no dicionário de José Sebastião. Pelo contrário, um dos aspectos interessantes da vida dele é a multiculturalidade do seu universo, que estaria ainda hoje à frente de muitas mentes tacanhas.

 

2.3. A vida de cidadão

2.3.1. No contexto histórico

José veio de Biguaçu, onde os marcos arquitetônicos que até hoje lá estão foram construídos por mão de obra escrava. Somente aos seus vinte e oito anos, no 13 de maio de 1888, a Lei Áurea pôs um ponto final na questão da abolição. Não que para José Sebastião isso tenha feito enorme diferença: oito anos antes, em 1880, a construção da ferrovia Tereza Cristina na qual conta-se que ele trabalhou, ao contrário das edificações coloniais de São Miguel, foi executada com a mão-de-obra de trabalhadores livres, dos quais muitos eram imigrantes italianos.

Tendo presenciado o momento na história da extrema escassez de mão-de-obra, foi ele um dos que se juntou à nova massa de trabalhadores necessária para possibilitar o desenvolvimento urbano e comercial da época.

Outro momento histórico marcante do seu tempo foi a queda da monarquia. Mais uma vez, não que para ele, um trabalhador que não tinha escravos nem posses relevantes, tenha feito enorme diferença a transição abrupta de monarquia para república. Mas ele deve, no mínimo, ter observado a mudança de bandeiras, as novas leis do estado laico, e o discurso de uma necessária renovação proferido no novo regime republicano, em que tantos descontentes com o império acreditavam.

Possivelmente sentiu também alguma mudança na forma de organização da Guarda Nacional, na qual deve ter se alistado desde 1878, embora maiores informações sobre este tema sejam ainda escassas.

 

2.3.2. A participação de José Sebastião na Guarda Nacional

As notícias de José Sebastião e suas companhias na Guarda Nacional ocorrem já no período da República, quando a organização já estava desmobilizada e rumava para um lento processo de extinção.[27] Nesse contexto, em 14 de junho de 1893,[28] José foi nomeado Tenente[28] da 4.a Companhia do 13.o Batalhão de Infantaria[28] da Guarda Nacional em Tubarão. Como os municípios onde faltasse contingente poderiam alocar homens de cidades vizinhas, isso não necessariamente significa que José Sebastião estivesse radicado em Tubarão nesta época.

Algumas generalidades sobre a Guarda Nacional

Afinal, o que fazia um oficial da Guarda Nacional? Uma Guarda sem quartel, sem uniforme, sem disciplina, sem armas. Nos dias ordinários, nada. Em dia de conflito, tudo.

A Guarda Nacional, criada em 1831, sofreu várias mudanças em sua importância, estrutura e legislação ao longo das décadas até o fim do século XIX, época da maioridade de José Sebastião. Sendo uma herança do período Regencial, a organização já não tinha a mesma relevância na época da maioridade de José. Como nota Maria Auxiliadora Faria, “A promulgação da Lei 2.395 de  10 de setembro de 1873, destituindo-a de forma quase definitiva das funções militares, legitima seu papel como força política.”[29](grifo adicionado).

Mesmo assim, até 1891, segundo o decreto nº 146, de 18 de Abril do mesmo ano, o alistamento na Guarda Nacional era ainda segundo os termos de 1850,[30] e portanto obrigatório para todos os cidadãos brasileiros, com um certo nível mínimo de escolaridade e renda, entre 18 e 60 anos.[31]

Ainda segundo Faria, “Foi determinado que a Guarda Nacional do serviço ativo só se reuniria uma vez por ano, em dia designado pelo comandante superior local – posto criado pela reforma de 1850 – para “Revista de Mostra e exercícios de Instrução, nos distritos do Batalhão ou Seção de Batalhão a que pertencer”.”[29](grifo adicionado). Assim, o alistamento e participação na instituição, na ausência de conflitos armados, parecem ter sido apenas formalidades a serem cumpridas.

Outro aspecto interessante, apontado por Douglas Pereira da Silva, é a transferência da importância da milícia para as instâncias estaduais, como melhor explicado nesta citação:
“De fato, com a decadência da Guarda Nacional, principalmente a partir de 1873 houve o desenvolvimento das Forças Estaduais dos Estados (antigas províncias), com os mais variados nomes, mas com as mesmas características: estrutura militar, vinculada aos entes federados (Estados – Membros) e estrutura burocrática de administração, desenvolvendo as chamadas Polícias Militares, que na República se tornariam as principais forças responsáveis pela segurança pública, mesmo porque o Exército ficaria responsável pela defesa externa.”[32] O que nos leva à próxima ocorrência na vida de José Sebastião, no trecho a seguir.

 

2.3.3. E por último, mas não menor em importância, as atribuições de subdelegado

Talvez mais trabalhosa, e com maiores implicações práticas, tenha sido a sua próxima nomeação, desta vez para Subcomissário de Polícia[33] de Pedras Grandes,[33] em 28 de abril de 1894,[33] cargo do qual foi exonerado a pedido,[34] com pouco mais de dois anos de exercício, em 5 de julho de 1896.[34] Na edição do “Almanach Catharinense” do mesmo ano, José é listado como Subcomissário de Pedras Grandes,[26] encabeçando a lista de autoridades policiais daquele distrito, que, sendo naquela época ainda a freguesia de São Gabriel das Pedras Grandes de Tubarão, não apresentava Comissário de Polícia. Assim, efetivamente, José Sebastião era como o delegado do local.

Cabe ainda citar trecho do artigo de Felipe Genovez,[35] que melhor elucida as dificuldades das atividades de comissários e subcomissários de polícia:

“O Chefe de Polícia Interino – Fernando Caldeira de Andrade em Relatório datado de 30 de junho de 1893, sobre autoridades policiais da Capital, assim se reporta:
“Exercem as funcções de commissario e sub-commissario d’esta capital os prestimosos e dedicados cidadãos João do Prado Lemos, Nuno da Gama d’Eça e Annimbal José de Abreu, cuja actividade, por demais comprovada no exercício de tão espinhosos cargos, merece por parte de vossa honrada e patriotica administração os mais sinceros encomios. De facto só o patriotismo, a dedicação sem limites pela segurança pública, levam a tão nobres caracteres acceitarem tão arduas funcções, onde gastam quasi toda a sua actividade economica com os esforços inauditos, roubando aos seus affazeres muitissimas horas que se consomem muitas vezes com sacrifícios de sua saude e quem sabe, da propria vida. (…)”. (grifo adicionado)

Supracitado está o relato da situação dos Comissários de polícia em Florianópolis, que presumivelmente contaria com melhor estrutura do que as demais localidades do estado, na época exata em questão. Assim, se considerarmos, além do usual desgaste causado pela atividade, que José Sebastião estava já em vias de ganhar o terceiro filho, não é de causar estranheza que ele tenha desejado retirar-se do corpo de polícia do interior de Santa Catarina, naquele determinado momento.

 

Notícia da exoneração a pedido de José Sebastião do Nascimento em 5 de julho de 1896, publicada no dia 18 do mesmo mês e ano no jornal "A Republica" (vide 2.a linha da 2.a coluna). Fonte: Hemeroteca Digital Brasileira.

Notícia da exoneração a pedido de José Sebastião do Nascimento em 5 de julho de 1896, publicada no dia 18 do mesmo mês e ano no jornal “A Republica” (vide 2.a linha da 2.a coluna). Fonte: Hemeroteca Digital Brasileira.

 

2.4. Setenta aniversários, e não mais

E então, após uma vida de trabalho e filhos – José faleceu em Tubarão,[36] às 14 horas do dia 19 de janeiro de 1931,[36] de esclerose cardio-renal,[36] conforme atestado do Dr. Asdrúbal Costa.[36] Contava 70 anos e 364 dias. Foi declarante da sua morte o senhor Antônio Corrêa Sobrinho,[36] que compareceu ao cartório de Tubarão no dia seguinte, no que seria data do septuagésimo primeiro aniversário do finado José Sebastião do Nascimento.

Ficaram vivos a esposa, Maria Caetana, que veio a falecer alguns anos depois em Tubarão, e seus doze filhos, que se espalharam por várias localidades de Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Há de ter sido imensamente saudosa a festa de São Sebastião de 1931, para a família de José.

Todos os anos, sai a procissão de São Sebastião em várias cidades do Brasil, no 20 de janeiro. Foto: Beth Santos/ PMRJ via FotosPublicas.com.

 

Cronologia

Data, idade na ocasião e breve descrição dos acontecimentos pessoais e históricos ao longo da vida de José Sebastião

20 de janeiro, 1860 0 Nasce, filho de Manoel Nascimento e Cândida Coelho, em São Miguel da Terra Firme, atual Biguaçu
12 de abril, 1860 0 É batizado na Igreja Matriz de São Miguel Arcanjo, Biguaçu
15 de setembro, 1872 12 Falece o avô materno, Jeremias Coelho Vieira, em Biguaçu
15 de fevereiro, 1873 13 Casa-se o irmão mais velho, Manoel José do Nascimento Neto, em São Miguel
27 de setembro, 1874 14 Nasce a sobrinha Maria, filha de Manoel José do Nascimento Neto, em São Miguel, Biguaçu
8 de fevereiro, 1876 16 Nasce o sobrinho Manoel, filho de Manoel José do Nascimento Neto, em São Miguel, Biguaçu
1880 20 Começa a construção da Estrada de Ferro Donna Thereza Christina
1884 24 Finalizada construção da Estrada de Ferro Donna Thereza Christina
estimado entre
1878 e 1892
±25 Falece o pai, Manoel José do Nascimento
1887 27 Parte da ferrovia é destruída pela enchente do Rio Tubarão
13 de maio, 1888 28 Promulgação da Lei Áurea
15 de novembro, 1889 29 Proclamação da República
18 de novembro, 1892 32 Casamento civil com Maria Caetana de Araújo, em Pedras Grandes
7 de fevereiro, 1893 33 Casamento religioso com Maria Caetana de Araújo, em Pedras Grandes
14 de junho, 1893 33 Nomeado Tenente em Tubarão
7 de setembro, 1893 33 É testemunha de casamento da cunhada Hermínia com Isaac Antunes de Medeiros, em Pedras Grandes
19 de dezembro, 1893 33 Nasce o primeiro filho, Leovegildo Elói, em Pedras Grandes
28 de abril, 1894 34 Nomeado Subcomissário de Polícia de Pedras Grandes
19 de junho, 1895 35 Nasce o 2.o filho, Adolpho, em Pedras Grandes
5 de julho, 1896 35 Exonerado a pedido do cargo de Subcomissário de Polícia de Pedras Grandes
2 de novembro, 1896 35 Nasce a 3.a filha, Laura, em Pedras Grandes
estimado entre
1893 e 1901
±37 Falece a mãe, Carlota Cândida Coelho
10 de abril, 1898 38 Nasce o 4.o filho, Dimas, em Pedras Grandes
24 de setembro, 1899 39 Nasce o 5.o filho, João Carlos, em Pedras Grandes
5 de janeiro, 1902 41 Nasce o 6.o filho, Pedro, em Pedras Grandes
1902 42 Donna Thereza Christina Railway Company deixa de operar. A ferrovia é adotada pelo o governo brasileiro.
1.o de julho, 1903 43 Nasce o 7.o filho, Paulo, em Pedras Grandes
±1904 ±44 Nasce o 8.o filho, João, em Orleães
±1907 ±47 Nasce a 9.a filha, Maria, em Orleães
29 de outubro, 1909 49 Nasce o 10.o filho, Lothar, em Orleães
±1912 ±52 Nasce o 11.a filha, Antonia, em Orleães ou Tubarão
1915 55 Nasce o 12.a filha, Dona Lôra, em Tubarão
±1922 ±62 Casamento do filho João Carlos, talvez em Canoas, no Rio Grande do Sul
19 de janeiro, 1931 71 Falece aos 71 anos, incompletos por um dia, em Tubarão, por esclerose cardio-renal.

 

Fontes

Veja também:

Agradecimentos

Primeiro, obrigada ao meu pai, por ter sido meu companheiro de pesquisas, documentação e preservação. À Dona Lôra e família, muito obrigada pelas informações preciosas e inéditas.

Mas principalmente ao José Sebastião, deixo aqui meu agradecimento sem dimensões, por, em consequência da vida que viveu, ter sido o meu primeiro bisavô.

Profundamente, literalmente:

– Obrigada pela existência.

 Da bisneta Helga, em fevereiro de 2015.

–×××–

 

 



Fontes
[1.1] [1.2] [1.3] [1.4] [1.5] [1.6] [1.7] Registro de Batismo de José do Nascimento, acessado em 22 de dezembro de 2014. Index and images, FamilySearch: “Brasil, Santa Catarina, Registros da Igreja Católica, 1714-1977”: Biguaçu: São Miguel: Batismos 1858, Dez-1861, Ago: imagem 25 de 54.

Batismo de José S do Nascimento-crop

[2.1] [2.2] [2.3] [2.4] Registro de Casamento dos pais de José, acessado em 27 de dezembro de 2014. Index and images, FamilySearch: “Brasil, Santa Catarina, Registros da Igreja Católica, 1714-1977,”: Biguaçu: São Miguel: Matrimônios 1831, Maio-1856, Mar: imagem 91 de 203.
[3] VENÂNCIO, Renato Pinto. A madrinha ausente: condição feminina no Rio de Janeiro, 1750-1800. In: COSTA, Iraci del Nero da. Brasil: História Econômica e Demográfica. São Paulo: IPE-USP, 1986, p. 97. In: ANDRADE, Rômulo Garcia de. A População Escrava e Suas Relações de Parentesco em Uma Freguesia do Sul Fluminense – Mangaratiba, 1802-1816 (PDF). Pg.3, Nota 6.
[4] BRÜGGER, Silvia Maria Jardim. Padrinhos de Muitos Afilhados: um estudo do significado do compadrio em São João del Rei, Séculos XVIII e XIX, PDF. Associação Nacional de História ANPUH – XXII Simpósio Nacional de História. João Pessoa, 2003.
[5.1] [5.2] CÂMARA, Lourival. Monografia Histórico-Corográfica (Biguaçu) (1940), acessado em 1.o de fevereiro de 2015.
[6] PERES, Tirsa Regazzini. Educação Brasileira no Império (PDF). São Paulo: Unesp, 2010. p.14, §3.
[7] Registro de Casamento de Manoel José do Nascimento Neto, acessado em 21 de janeiro de 2015. FamilySearch, index and images. “Brasil, Santa Catarina, Registros da Igreja Católica, 1714-1977”: Biguaçu: São Miguel: Matrimônios 1871, Fev-1874, Dez: imagem 31 de 53.
[8.1] [8.2] [8.3] [8.4] [8.5] [8.6] [8.7] [8.8] [8.9] Memórias da filha caçula de José Sebastião, coletadas pela autora em entrevista em Viamão, Rio Grande do Sul, Brasil, em dezembro de 2012.
[10] Histórico de Lauro Müller (PDF). Biblioteca IBGE, acessado em 30 de janeiro de 2015.
[11.1] [11.2] [11.3] [11.4] [11.5] [11.6] [11.7] [11.8] [11.9] [11.10] [11.11] Registro de Casamento Religioso de José Sebastião do Nascimento e Maria Caetana de Araújo, acessado em 22 de dezembro de 2014. Index and images, FamilySearch: “Brasil, Santa Catarina, Registros da Igreja Católica, 1714-1977”: Tubarão: Nossa Senhora da Piedade: Matrimônios 1891, Jun-1894, Abr: imagem 31 de 55.

cas rel jose e maria

[12] GOULARTI Filho, Alcides – LIVRAMENTO, Ângela Maria do. Movimento operário mineiro em Santa Catarina nos anos 1950 e 1960. Criciúma: Universidade do Extremo Sul de Santa Catarina: Grupo de Pesquisa e Memória da Cultura do Carvão em Santa Catarina, s.d. Artigo. Pág.1, Introdução.
[13] História de Pindotiba, por Prof. Anderson Soares André, acessado em 4 de fevereiro de 2015.
[15.1] [15.2] [15.3] [15.4] [15.5] [15.6] [15.7] [15.8] [15.9] [15.10] [15.11] [15.12] [15.13]
“Brasil, Santa Catarina, Registro Civil, 1850-1999,” images, FamilySearch  Registro de Casamento Civil de José Sebastião do Nascimento e Maria Caetana de Araújo, Images, FamilySearch. “Brasil, Santa Catarina, Registro Civil, 1850-1999,”: Pedras Grandes: Pedras Grandes: Matrimônios 1892, Jun-1913, Jul: imagem 4 de 206.

Registro de Casamento Civil de José e Maria

[16.1] [16.2] [16.3] Registro de Nascimento de Leovegildo, acessado em 18 de janeiro de 2015. Images, FamilySearch: “Brasil, Santa Catarina, Registro Civil, 1850-1999”: Pedras Grandes: Pedras Grandes: Nascimentos 1892, Maio-1904, Ago: image 47 of 207.
[17.1] [17.2] [17.3] Registro de Nascimento de Adolpho, acessado em 18 de janeiro de 2015. Images, FamilySearch: “Brasil, Santa Catarina, Registro Civil, 1850-1999”: Pedras Grandes: Pedras Grandes: Nascimentos 1892, Maio-1904, Ago: image 84 of 207.
[18] Registro de nascimento de Laura, acessado em 18 de janeiro de 2015. Images, FamilySearch: “Brasil, Santa Catarina, Registro Civil, 1850-1999”: Pedras Grandes: Pedras Grandes :Nascimentos 1892, Maio-1904, Ago: imagem 117 de 207.
[19] Registro de nascimento de Dimas, acessado em 18 de janeiro de 2015. Images, FamilySearch Brasil: Santa Catarina, Registro Civil, 1850-1999″: Pedras Grandes: Pedras Grandes: Nascimentos 1892, Maio-1904, Ago: imagem 141 de 207.
[20] Registro de Nascimento de José, acessado em 10 de janeiro de 2015. Images, FamilySearch: “Brasil, Santa Catarina, Registro Civil, 1850-1999”: Pedras Grandes: Pedras Grandes: Nascimentos 1892, Maio-1904, Ago; imagem 161 de 207.
[21] Registro de Nascimento de Pedro, acessado em 18 de janeiro de 2015. Images, FamilySearch: “Brasil, Santa Catarina, Registro Civil, 1850-1999”: Pedras Grandes: Pedras Grandes: Nascimentos 1892, Maio-1904, Ago: imagem 193 de 207.
[22] Registro de Nascimento de Paulo, acessado em 18 de janeiro de 2015. Images, FamilySearch: “Brasil, Santa Catarina, Registro Civil, 1850-1999”: Pedras Grandes: Pedras Grandes: Nascimentos 1892, Maio-1904, Ago; imagem 197 de 207.
[23.1] [23.2] Registro de casamento de João Nascimento e Beatriz Kochler, acessado em 2 de fevereiro de 2015. Images, FamilySearch: “Brasil, Rio Grande do Sul, Registros da Igreja Católica, 1738-1952”: Porto Alegre: São José dos Alemães: Matrimônios 1923, Maio-1942, Jul: imagem 7 de 42.
[24] Registro de nascimento de Lothar, acessado em 11 de dezembro de 2014. Images, FamilySearch: “Brasil, Santa Catarina, Registro Civil, 1850-1999”: Orleans: Orleans: Nascimentos 1909, Maio-1911, Mar: imagem 85 de 229.
[25] José Avelino Pacheco dos Reis, lista de Juízes de Paz. Hemeroteca Digital Brasileira. “Almanach Catharinense”, Ano 1896, Pág. 125, Seção “Pedras Grandes”.
[26.1] [26.2] José Sebastião do Nascimento, lista de “Autoridades policiaes”. Hemeroteca Digital Brasileira. “Almanach Catharinense”, Ano 1896, Pág. 64, Seção “Pedras Grandes”.
[27] SALDANHA, Flávio henrique Dias. As Dores do Parto: Guarda Nacional e coronelismo em Minas Gerais no século XIX (PDF), acessado em 30 de janeiro de 2015. Londrina: ANPUH – XXIII Simpósio Nacional de História, 2005.
[28.1] [28.2] [28.3] Notícia de José S. do Nascimento, 1893. Hemeroteca Digital Brasileira. Jornal “A República”, 14 de junho de 1893. Pág 2, 4.a Col.
[29.1] [29.2] FARIA, Maria Auxiliadora. A Guarda Nacional em Minas 1831-1873 (PDF). Curitiba: Universidade Federal do Paraná: Departamento de História: Tese de mestado, 1977. 175p. Pág.12, §3.
[30] Site oficial da Câmara dos Deputados do Brasil. Legislação Informatizada – Decreto nº 146, de 18 de Abril de 1891 – Publicação Original, acessado em 29 de janeiro de 2015.
[31] Site oficial da Câmara dos Deputados do Brasil. Legislação Informatizada – Lei nº 602, de 1850 – Publicação Original, acessado em 29 de janeiro de 2015.
[32] SILVA, Douglas Pererira da. A Guarda Nacional e sua importância histórica: Das origens ao surgimento e crescimento das Polícias Militares (PDF), acessado em 30 de janeiro de 2015. Texto extraído do site Jus Militaris. Pág.4, §5
[33.1] [33.2] [33.3] Notícia de José S. do Nascimento, 1894. Hemeroteca Digital Brasileira. Jornal “A República”, Ano V, N.o 7, 28 de abril de 1894. Pág. 2, 2.a Col., §2, Seção “Pedras Grandes”.
[34.1] [34.2] Notícia de José S. do Nascimento, 1896. Hemeroteca Digital Brasileira. Jornal “A República”, Ano VII,  N.o 6, 18 de julho de 1896, 1.a Pág., 2.a Col., 2.a Linha.

[36.1] [36.2] [36.3] [36.4] [36.5] Registro de Óbito de José Sebastião do Nascimento, acessado em 22 de dezembro de 2014. Images, FamilySearch: “Brasil, Santa Catarina, Registro Civil, 1850-1999,”: Tubarão: Tubarão: Óbitos 1930, Fev-1933, Jun: imagem 62 de 202.

Óbito de José Sebastião do Nascimento