Ela foi a força do feminino: em casa, ganhou doze filhos; em casa, trabalhava informalmente; e em casa, recebia o marido vindo do trabalho, por 39 anos.
Conheça a história de Maria Caetana de Araújo.

*01.08.1872 Tubarão SC          †16.11.1936 Tubarão SC

• Vide a genealogia de Maria Caetana de Araújo

Síntese

Maria Caetana de Araújo foi uma esposa e mãe de família que viveu em Santa Catarina entre 1872 e 1936. Nasceu em Tubarão, e viveu com o marido e os doze filhos em localidades ao longo do Vale do Rio Tubarão, nas proximidades da Ferrovia Tereza Cristina.

Maria caetana de Araújo. Único retrato encontrado até agora.

Maria Caetana de Araújo. Único retrato. Acervo da Helga.

Parte 1: Crescendo em Tubarão e São Joaquim da Costa da Serra

1.1. O começo

1.1.1. Batismo

Maria Caetana de Araújo nasceu 1º de agosto de 1872[1] em Tubarão ou arredores,[1] Santa Catarina. Filha legítima[1] de Caetano Joaquim da Silva Araújo[1] e de Guilhermina Silvina de Souza[1], neta paterna de Joaquim Borges de Araújo[1] e Joaquina Inácia da Silva,[1] e neta materna de Manoel Mendes de Souza[1] e Maria Silvina de Souza, foi batizada em Tubarão,[1] aos 15 de agosto de 1872,[1] tendo como padrinho João Martinho de Mendonça[1] e como madrinha a invocação de Nossa Senhora.[1]

 

A antiga capela em Tubarão em 1879, antes da construção da matriz Nossa Senhora da Piedade. Foto do Arquivo Público de Tubarão, disponibilizada por BioTavares (vide fontes). Autor desconhecido.

A antiga capela em Tubarão em 1879, antes da construção da matriz Nossa Senhora da Piedade. Foto do Arquivo Público de Tubarão, disponibilizada por BioTavares (vide fontes). Autor desconhecido.

Segundo o texto do registro de batismo, Maria foi batizada “em Tubarão”, mas não há menção exata de lugar. A foto acima é da antiga capela de Tubarão, anterior à construção da Catedral Nossa Senhora da Piedade de Tubarão da foto abaixo, que começou a ser erguida justo em 1872. Imagino que Maria Caetana teria assistido, durante a sua infância, à construção da catedral que, apesar de bem marcante e da aparência muito sólida, foi demolida um ano antes de completar cem anos, em 1971.

Atraente: a fachada que não mais existe e cuja construção Maria Caetana teria acompanhado, na infância em Tubarão. Imagem disponibilizada por DiariodoSul.com.br (vide fontes). Século XX, autor desconhecido. Acervo da UFCS. Editada por Helga.

 

1.1.2. O que diz um nome

Maria Caetana foi a segunda filha do casal a ser batizada com este nome, sendo a primeira filha Maria nascida em 1864.[2] Desta forma, Maria foi possivelmente assim chamada para homenagear a irmã primogênita que provavelmente faleceu na infância, conforme o costume da época.

Outro costume onomástico a que Maria Caetana aderiu era o de adicionar um nome do meio ao nome de batismo. Assim, o nome do meio de Maria Caetana foi uma homenagem ao pai, Caetano Joaquim. O nome do meio não era definido na pia batismal, e, assim como a escolha do sobrenome em idos tempos, em geral seguia os vínculos de afinidade entre os entes da família.

 

1.1.3. Antes de Maria Caetana – as irmãs sem mais notícia

As primeiras filhas dos pais de Maria Caetana não deixam mais rastros documentais além dos seus registros de batismo, e assim, presume-se que tenham falecido na infância. Elas foram:

  • Maria, nascida em 6 de maio de 1864 e batizada no dia seguinte, em Tubarão.[2] Padrinhos: os avós maternos. Sem mais notícia.
  • Lídia, nascida em 13 de outubro de 1865 e batizada sete dias depois, Tubarão.[3] Padrinhos: os avós maternos.  Sem mais notícia.
  • Belmira, nascida em 1º de janeiro de 1869, batizada em 20 de janeiro de 1869, em Tubarão.[4] Padrinhos: José da Silva Araújo e Ana Joaquina. Sem mais notícia.

Nenhuma das três meninas – Maria (a primogênita), Lídia e Belmira são mencionadas como filhas na ocasião da morte do pai,[5] Caetano. Os padrinhos de Lídia eram os mesmos de Maria, como a indicar que Maria teria falecido ainda antes de Lídia ser batizada, pois em geral, havia uma certa rotatividade nas escolhas de padrinhos dos filhos. Outro indício de que Lídia poderia ter falecido jovem é a adoção do seu nome como nome do meio por parte da irmã Hermínia, que passou a chamar-se Hermínia Lídia.

 

1.1.4. Proteção de Nossa Senhora

De forma a propiciar alguma forma de proteção divina a esta segunda Maria – que ao que parece, seria a primeira filha do casal a ter vida longa – foi-lhe escolhida como madrinha a invocação de Nossa Senhora. Como observa Rômulo Garcia de Andrade, “Venâncio [Renato Pinto] abordou a ausência fisica de mulheres na cerimônia de batismo de pessoas livres […] A opção por N. Sra. como madrinha embutia uma permuta: N. Sra. ganhava um afilhado e em troca protegia a mãe na hora do parto.[6]

 

1.2. A infância

1.2.1. Depois de Maria Caetana

Felizmente, a família continuou crescendo desde o nascimento de Maria Caetana. É interessante notar que ela acabou por ter uma posição mutante na família, dependendo de quanto tempo de convívio pôde ter com as irmãs maiores. Pode ser que tivesse sido uma irmã do meio, que depois virou a irmã maior. Ou simplesmente, não tendo memória das irmãs mais velhas, pensasse sempre ter sido a primogênita. Os irmãos que vieram depois de Maria foram:

  • Antonio Caetano de Araújo,[5] nascido em cerca de 1874, em Tubarão;
  • José Lizenando de Araújo, nascido em 25 de julho de 1876 e batizado em 13 de agosto do mesmo ano, em Tubarão.[7]
  • Hermínia Lídia de Araújo,[5] nascida em cerca de 1878, talvez em São Joaquim;
  • Garcindo Bonifácio de Araújo,[5] nascido em cerca de 1880, talvez em São Joaquim;
  • Honorina Araújo, nascida em  4 de outubro de 1883, e batizada 20 dias depois, em Tubarão.[8]
  • João Elpídio de Araújo,[5] nascido em cerca de 1890, talvez em Tubarão.
 1.2.2. Vistas marcantes de Tubarão

Seguem algumas fotos de Tubarão, como ou semelhantes ao que Maria Caetana teria conhecido na sua primeira infância, junto com seus irmãos pequenos:

1.2.3. Os mais velhos

Avós e tios em Tubarão e Laguna

As três irmãs de Maria Caetana tiveram como padrinhos os avós maternos (Manoel Mendes de Souza e Maria Silvina de Souza) e tios paternos (José da Silva Araújo e Ana Joaquina), sendo moradores das freguesias de Tubarão e Laguna, que são cidades vizinhas entre si. As irmãs de Guilhermina de Souza e esposos, a saber: Íria Correa de Souza e esposo, José Constantino da Silva, e Clarinda Silvina de Souza, casada com Pedro de Bittencourt, foram respectivamente padrinhos de José e Honorina, irmãos de Maria Caetana. Assim, é certo que havia bons vínculos de afetividade com os avós e tios. Mas, tendo em mente as futuras mudanças da família, o convívio com os familiares em Tubarão e Laguna pode ter sido prejudicado.

 Origens

Assim como o marido José Sebastião, Maria Caetana definia-se como “filha da terra”;[9] e, de fato, apesar de ser quase sempre muito açoriana, a ascendência distante de Maria tem também origens indígenas enraizadas na época do Brasil Colônia, através da avó paterna Joaquina Inácia da Silva.

A imagem abaixo mostra a família mais próxima de Maria Caetana, exceto marido e filhos:  os pais, avós, irmãos e respectivos cônjuges, e os tios que foram também padrinhos e madrinhas dos irmãos de Maria.

avr-m.acaetana

Familiares mais próximos de Maria Caetana (exceto marido e filhos).

 

 

1.2.4. Escolaridade

A única evidência de alguma escolariadade de Maria Caetana é o fato de ter sido alfabetizada, demonstrando certa destreza ao assinar o nome. Provavelmente, freqüentou a escola primária de Tubarão.

No contexto do segundo império, a alfabetização de Maria Caetana foi um privilégio. Em 1867, cerca de 12 anos antes de sua idade escolar, somando-se todas as províncias do Brasil, “[…] Aproximadamente, dos 1.200.000 indivíduos em idade escolar, apenas 120 mil recebiam instrução primária, ou seja, a décima parte da população, ou ainda um indivíduo por 80 habitantes. [AZEVEDO, 1958, p. 82]”[10](grifo adicionado).

Screen Shot 2015-01-02 at 3.47.22 PM

A última assinatura de solteira de Maria Caetana. Pedras Grandes, 18 de novembro de 1892.

Colégio São José, ca. 1890. Exemplar de uma escola em Tubarão, na época da idade escolar de Maria Caetana. Imagem disponibilizada por Tubarão antigo (vide fontes). Autor desconhecido.

Colégio São José, ca. 1898. Exemplar de uma antiga escola em Tubarão. Imagem disponibilizada por “Tubarão antigo” (vide fontes). Autor desconhecido.

 

1.2.5. São Joaquim da Costa da Serra

Entre 1880 e 1882, o pai de Maria Caetana trabalhou em São Joaquim da Costa da Serra. Depois, a família parece ter retornado a Tubarão. Maria Caetana deve ter tido lembranças das particularidades geográficas de São Joaquim, com o terreno acidentado característico da serra catarinense, e sendo uma das três cidades mais frias do Brasil. Neste ínterim a educação de Maria Caetana e de seus irmãos deve ter ficado em família, já que Caetano Joaquim foi professor da freguesia neste período.

 

Neve em São Joaquim. Wikimedia Commons, 2015.

 

Parte 2: A vida em Pedras Grandes

2.1. A mudança para Pedras Grandes

A trajetória de Caetano Joaquim é a melhor evidência (e de fato, a única) para estimar a data em que a família de Maria Caetana se radicou nos arredores de Pedras Grandes. A última notícia de Caetano em Tubarão data de 1883, e já em 1892, é residente em Pedras Grandes. Logo, a mudança ocorreu em cerca de 1887, com uma margem de erro de cinco anos para mais ou para menos.

Pedras Grandes e suas redondezas – ou seja, Azambuja, Palmeiras (atual Pindotiba), Oratório (parte de Orleães), todos são locais em que os pesonagens principais da vida de Maria Caetana fazem suas aparições. Azambuja foi a primeira colônia italiana de Santa Catarina. Orleães foi uma colônia onde assentaram-se imigrantes da Itália, Alemanha, Letônia, Polônia, e também colonos nacionais.

Desta vez, diferente de um grande centro, como Tubarão, e não exatamente como uma freguesia mais isolada e remota que era São Joaquim da Costa da Serra, a morada da família em Pedras Grandes era um peculiar apanhado de novas freguesias e colônias nos arredores das minas de carvão. Ligando todos os locais relevantes da vida de Maria Caetana, estavam, em incessante movimento, a correnteza do Rio Tubarão e a fumaça da Ferrovia Tereza Cristina, na qual trabalhou o seu futuro marido, José Sebastião.

Seguem algumas fotos atuais de Pedras Grandes e o Rio Tubarão, que ainda devem em muito lembrar a época em que Maria Caetana ali vivia:

 

Muito determinante no cotidiano, no normal andamento econômico, na paisagem, nas características visuais e sonoras da região, no imaginário local, enfim, fundamental na identidade do lugar, era a estrada de ferro Dona Tereza Cristina.

Na galeria abaixo, estão mapas de localização da E.F.D.T.C. e uma uma seleção de fotos antigas de localidades do trecho Lauro Müller – Laguna.

 

Para os curiosos, segue vídeo da Tereza Cristina, funcionando em 2013 – disponibilizado por Andreas Illert:

 

2.2. O encontro com José Sebastião

Em Pedras Grandes, Maria Caetana conheceu o futuro marido, José Sebastião do Nascimento, vindo da freguesia de São Miguel, ao lado da parte continental da Capital. Em Pedras Grandes, casou e teve a maior parte de seus filhos. Portanto, deve ter vivido a fase mais marcante da sua vida naquele lugar.

Há uma série de possíveis conexões entre a família de Maria Caetana e José Sebastião: as funções na Guarda Nacional, na polícia, e vínculos em comum: José Avelino Pacheco dos Reis e Boaventura Costa de Mello, com quem José Sebastião trabalhou diretamente, tiveram ligação com o pai de Maria Caetana, por exemplo. As afinidades políticas também são um possível vínculo, considerando que o partido republicano era o mais amplamente apoiado na época.

 

2.3. Casamento

Maria Caetana casou-se aos 20 anos [11] com José Sebastião do Nascimento,[11] em cerimônia civil em casa das audiências do Juiz de Paz Roberto Schufler, em Pedras Grandes[11] em 18 de novembro de 1892.[11] Foram testemunhas José Avelino Pacheco dos Reis,[11] de 41 anos, negociante e residente em Pedras Grandes,[11] e Friedrich Dörner,[11] de 31 anos, seleiro e residente na freguesia de Tubarão.[11] A cerimônia religiosa aconteceu na capela de Pedras Grandes,[12] em 7 de fevereiro de 1893,[12]terça-feira, sendo testemunhas José Maurício dos Santos,[12] e novamente José Avelino Pacheco dos Reis.[12]

 

a igreja de Pedras Grandes. Imagem disponibilzada por Portal de Pedras Grandes (vide fontes) Sem data, autor desconhecido.

Assinatura de casada de Maria Caetana. Pedras Grandes, 4 de junho de 1910.

2.4. Filhos

Ao longo de seus quase trinta e nove anos de casamento com José, Maria Caetana teve doze filhos nos primeiros vinte e dois anos de casada, de modo que como ocorre, o movimento da família se reflete nos registros de nascimento da prole.

Em poucos mais de duas décadas muito intensas, Maria Caetana e José Sebastião tiveram os seguintes filhos:

    1. Leovegildo Elói Nascimento, nascido em 19 de dezembro de 1893, em Pedras Grandes. Testemunhas: José Avelino Pacheco dos Reis e Isaac Antunes de Medeiros.[13]
    2. Adolpho Nascimento, nascido em 19 de junho de 1895, em Pedras Grandes. Testemunhas: Boaventura Costa de Mello e Isaac Antunes de Medeiros.[14]
    3. Laura Nascimento, nascida às 5 horas e 30 minutos de 2 de novembro de 1896, em Pedras Grandes. Testemunhas: Juvêncio Francisco Borges e Jacintho Eleodoro Nunes.[15]
    4. Dimas Nascimento, nascido às 16 horas e 30 minutos de 10 de abril de 1898, em Pedras Grandes. Testemunhas: Juvêncio Francisco Borges e José Francisco Borges.[16]
    5. José Carlos Nascimento, nascido às 21 horas de 24 de setembro de 1899, em Pedras Grandes. Testemunhas: Antonio Bratti e Manuel Francisco Godinho.[17] Como sugere uma foto de família, José Carlos, conhecido como Joca, teria completado Bodas de Prata em 1947, em Canoas, Rio Grande do Sul.

      Possivelmente, José Carlos, o tio "Joca" e família, em 1947, Viamão. Acervo de família.

      (Foto de família ainda não identificada) – Possivelmente, no centro está José Carlos, o tio “Joca”, ao lado da esposa e filhos, em 1947, em Canoas, Rio Grande do Sul. Acervo da Helga.

    6. Pedro Nascimento, nascido em 5 de janeiro de 1902, em Pedras Grandes. Testemunhas: Juvêncio Francisco Borges e Sabino Luciano Pereira.[18]
    7. Paulo Nascimento, nascido às 6 horas de 1.o de julho de 1903, em Pedras Grandes. Testemunhas: João Rodrigues Machado e Manoel José Pereira.[19]
    8. João Pio Nascimento, nascimento estimado por volta de 1904, em Orleães. Casou em 1935 com Beatriz Kochler, em Porto Alegre[20] Foi testemunha o irmão mais moço, Lothar.[20] As fotos abaixo pertenciam a Lothar Nascimento e são de um de seus irmãos, porém ainda não identificado. Assim sendo, estão atribuídas a João Nascimento, com quem Lothar, que morava em Porto Alegre, teria mais chances de ter mantido contato. Fotos do acervo da Helga.PB sem verso0002 Fotos PB0024
    9. Maria Nascimento, nascimento estimado por volta de 1907, em Orleães.
    10. Lothar Nascimento, nascido em 29 de outubro de 1909, na localidade de Oratório, Orleães. Testemunhas: Jorge Salomão Boabard e João Antonio da Motta.[21] Casou-se com Erna Nilles em Porto Alegre, em 1933.

      Lothar Nascimento, a esposa Erna, e os primeiros dois filhos, no Natal de 1942.

      Lothar Nascimento, com a esposa Erna, e os primeiros dois filhos do casal, no Natal de 1942. Acervo da Helga.

    11. Antonia Nascimento, nascimento estimado por volta de 1912, em Orleães ou Tubarão.
    12. “Dona Lôra” Nascimento, (é usado o apelido para proteger a privacidade) nascida em 1915 em Tubarão.
      Com quase 100 anos, continua lúcida e ativa (fevereiro de 2015). Muitas exclamações não bastariam para expressar a sorte de poder ter conhecido a Dona Lôra.

 

2.6. A vida de esposa e mãe

Segundo as memórias da família,[9] Maria cuidava dos doze filhos, e desenvolvia vários trabalhos complementares à renda familiar, utilizando os dotes da costura e outras técnicas que havia aprendido com a mãe Guilhermina. Maria acordava em torno das quatro da madrugada para se dedicar à casa e ao trabalho, e “sempre fez de tudo pelos filhos, pelo marido, para que não faltasse nada”.[9]

Abaixo, está um gráfico simples mostrando, em bege, os períodos gestacionais, em terracota, os períodos pós-parto, e em azul, do claro ao anil, o número de filhos para tomar conta crescendo.

gravidezMC

Gráfico: períodos gestacionais, de pós-parto e o aumento da família. Feito por Helga, fevereiro de 2015.

As peripécias do marido

José Sebastião, além do trabalho, cumpriu também o papel de delegado de Pedras Grandes entre 1894 e 1896.[22]

Para melhor entender as atribuições de subdelegado, segue abaixo um relato da época, extraído de texto de Felipe Genovez:[23]

“O Chefe de Polícia Interino – Fernando Caldeira de Andrade em Relatório datado de 30 de junho de 1893, sobre autoridades policiais da Capital, assim se reporta:
“Exercem as funcções de commissario e sub-commissario d’esta capital os prestimosos e dedicados cidadãos João do Prado Lemos, Nuno da Gama d’Eça e Annimbal José de Abreu, cuja actividade, por demais comprovada no exercício de tão espinhosos cargos, merece por parte de vossa honrada e patriotica administração os mais sinceros encomios. De facto só o patriotismo, a dedicação sem limites pela segurança pública, levam a tão nobres caracteres acceitarem tão arduas funcções, onde gastam quasi toda a sua actividade economica com os esforços inauditos, roubando aos seus affazeres muitissimas horas que se consomem muitas vezes com sacrifícios de sua saude e quem sabe, da propria vida. (…)”. (grifo adicionado)

Maria Caetana não deve ter reclamado quando José Sebastião saiu do corpo de polícia sendo exonerado a pedido, enquanto ela já esperava a terceira filha do casal.

Acima: Notícia da exoneração a pedido de José Sebastião do Nascimento em 5 de julho de 1896, publicada no dia 18 do mesmo mês e ano no jornal "A Republica" (vide 2.a linha da 2.a coluna). Fonte: Hemeroteca Digital Brasileira.

Acima: Notícia da exoneração a pedido de José Sebastião do Nascimento em 5 de julho de 1896, publicada no dia 18 do mesmo mês e ano no jornal “A Republica” (vide 2.a linha da 2.a coluna). Fonte: Hemeroteca Digital Brasileira.

 

2.7. Irmãos e cunhados

Maria Caetana e família usufruíam da proximidade física dos familiares mais chegados. De seis dos irmãos de Maria Caetana, há notícia de cinco morando, casando-se e constituindo família nos arredores de Pedras Grandes, como listado a seguir:

  • Antonio Caetano de Araújo casou com Lucinda Cardoso de Bittancourt, em 27 de julho de 1901, em Azambuja;[24]
  • José Lizenando de Araújo casou com Maria Alexandrina de Jesus, em 14 de julho de 1906, em Azambuja.[25] José Sebastião foi testemunha, Maria Caetana não assinou o documento, no entanto provavelmente era considerada como uma madrinha de casamento.
  • Hermínia Lídia de Araújo casou com Isaac Antunes de Medeiros, em 7 de setembro de 1893, em Pedras Grandes.[26] Maria Caetana e José Sebastião foram testemunhas.
  • Garcindo Bonifácio de Araújo casou com Maria Feliciana de Jesus, em 5 de fevereiro de 1910, em Pedras Grandes.[27] José Sebastião foi testemunha legal, Maria Caetana não assinou a ata, como no casamento de José Lizenando.
  • João Elpídio de Araújo casou com Doralice Rodrigues em 24 de janeiro de 1914, em Pedras Grandes.[28]

Como se nota, Maria Caetana e seu marido foram testemunhas de três destes casamentos: o de Hermínia Lídia, José Lizenando e Garcindo Bonifácio, reforçando a idéia de que ela teria assumido o papel da irmã maior, prestando auxílio e sendo especialmente benquista entre os irmãos mais novos.

 

avr-m.acaetana

Familiares de Maria Caetana, detalhe. Pais, irmãos e cunhados na região de Orleans e Pedras Grandes.

 

 

2.8. O primeiro grande luto

No inverno de 1911,[5] em 20 de junho,[5] Maria Caetana perdeu o pai, Caetano, a quem havia homenageado com o segundo nome, que faleceu de pneumonia.[5] Maria Caetana tinha então 38 anos e dez filhos, e estava possivelmente grávida de um décimo primeiro rebento. Apesar da tristeza de Maria Caetana, é fácil imaginar como a vida, o cotidiano intenso e as dificuldades em pouco tempo a tenham absorvido, sem talvez ter-lhe permitido um período mais prolongado de luto.

 

 2.9. Momento histórico

Assim como José Sebastião, Maria Caetana viveu em época de importantes mudanças no curso da história Brasil. Mais uma vez, assim como no caso do marido, não que para ela tenha feito uma enorme diferença: sua vida, afazeres, situação econômica, seguiram sem grandes mudanças. Mas ela deve ter podido observar – talvez com surpresa, como boa parte da população – a Abolição e a instalação do novo regime republicano, aos 15 e 17 anos, respectivamente.

Também cabe aqui fazer referência ao meu comentário sobre a inserção cultural de José Sebastião, que se aplica também a Maria Caetana:

“Antes de se estabelecer em definitivo em Tubarão, José Sebastião Maria Caetana e família viviam na localidade de Oratório, em Orleães. Os sogros pais, com quem deve ter tido contato mais freqüente do que com os próprios familiares consangüíneos, moravam na localidade de Palmeiras (atualmente, Pindotiba), também em Orleães. Pedras Grandes e Orleães foram inicialmente colônias destinadas a assentar, na sua maioria, colonos vindos da Itália, Letônia, Polônia, e também – note, também colonos nacionais.

Duas testemunhas de nascimento de seus filhos e uma do seu casamento, por exemplo, eram Antonio Bratti, Jorge Salomão Boabard e Frederico (assinou “Friedrich”) Dönner – que aparentemente seriam imigrantes. Dois de seus filhos receberam nomes muitos mais comuns entre alemães do que entre lusófonos – Adolpho, em 1895, e Lothar, em 1909.

Como explicado anteriormente, ele ela não se autodefinia e nem se apresentava como sendo de origem tão-somente lusitana. Portanto, nada leva a crer que xenofobia ou eurocentrismo estivessem no dicionário de José Sebastião Maria Caetana. Pelo contrário, um dos aspectos interessantes da vida dele dela é a multiculturalidade do seu universo, que estaria ainda hoje à frente de muitas mentes tacanhas.” (riscos e adendos adicionados).

 

Parte 3: Filha pródiga

3.1. O retorno

Por algum motivo, possivelmente profissional, a família mudou-se para Tubarão. A sede da ferrovia já havia sido transferida para o grande centro desde 1906, mas as últimas pegadas da família em Orleães datam ainda de 1909. Talvez preferissem estar, por mais tempo que pudessem permanecer, mais perto da família, em Orleães; ou talvez, a presença de José Sebastião junto à sede tenha se dado somente mais tarde, talvez após um eventual período prolongado de reparos da estrada nos arredores de Pedras Grandes.

Após o nascimento do décimo filho em Orleães, Maria Caetana ainda teve mais duas filhas, das quais a última, certamente em Tubarão, em 1915. Das memórias desta filha caçula, ficou a imagem da fortaleza de Maria Caetana, pondo sempre em primeiro lugar as atribuições de esposa e mãe.

Em 23 de janeiro de 1922,[29] a mãe de Maria Caetana, Guilhermina, faleceu de “doença da pleura”,[29] ainda no mesmo distrito de Palmeira (atual Pindotiba, em Orleães) – onde morava há decadas. Maria visitava Guilhermina raramente, estando sempre muito ocupada dos filhos e dos trabalhos em casa.[9] As visitas ocasionais requeriam uma viagem relativamente longa, provavelmente a bordo do trem de passageiros da Tereza Cristina.

 

3.2. Viuvez

Maria Caetana enviuvou às duas horas da tarde de 19 de janeiro de 1931,[30] aos 58 anos e contando 39 anos de casamento. O marido, José Sebastião, faleceu um dia antes de completar 71 anos. No dia seguinte, que seria aniversário do finado, além do sepultamento, aconteceu também a festa de São Sebastião, que ocorre sempre em 20 de janeiro. Em meio a tantos sentimentos simultâneos, Maria Caetana ao menos não estava sozinha: no mínimo, a sua filha caçula tinha ainda 15 anos,[9] e ainda estaria em sua companhia por alguns anos.

A procissão de São Sebastião ocorre em várias cidades do Brasil todos os anos no 20 de janeiro. Foto: Beth Santos/ PMRJ via FotosPublicas.com.

A procissão de São Sebastião ocorre em várias cidades do Brasil todos os anos no 20 de janeiro. Foto: Beth Santos/ PMRJ via FotosPublicas.com.

 

Fotografia antiga de um cortejo fúnebre em Tubarão, ao que parece subindo a ladeira em direção à Igreja Matriz. Imagem disponibilzada por ConhecimentoGeral.com. Sem data, autor desconhecido.

Fotografia antiga de um cortejo fúnebre em Tubarão, ao que parece subindo a ladeira em direção à Igreja Matriz. Imagem disponibilzada por ConhecimentoGeral.com. Sem data, autor desconhecido.

 

3.3. Final

Quase seis anos depois a morte do marido, veio ela a falecer por assistolia,[31] às doze horas do dia 15 de novembro de 1936,[31] em Tubarão,[31] conforme atestado do Dr. Asdrúbal Costa (o mesmo que atestou o falecimento do marido, José). Foi declarante da morte de Maria Caetana o Sr. Julio Victor Rodrigues, ferroviário, em 16 de novembro. Maria faleceu aos 64 anos, deixando vivos os seus doze filhos, espalhados por várias localidades de Santa Catarina e Rio Grande do Sul.

 

Cronologia

Data, idade na ocasião e breve descrição dos acontecimentos pessoais e históricos ao longo da vida de Maria Caetana

1.o de agosto, 1872 0 Nasce, filha de Caetano Joaquim da Silva Araújo e Guilhermina Silvina de Souza, em Tubarão
15 de agosto 1872 0 É batizada em Tubarão, afilhada de João Martins Mendonça e Nossa Senhora
±1874 ±2 Nasce o irmão Antonio Caetano, em Tubarão
25 de julho, 1876 4 Nasce o irmão José Lizenando, em Tubarão
 ±1878 ±6 Nasce a irmã, Hermínia Lídia
±1880 ±8 Nasce o irmão, Garcindo Bonifácio
±1881 ±9 Período em São Joaquim da Costa da Serra
±1883 ±11 Retorno a Tubarão
4 de outubro, 1883
11 Nasce a irmã, Honorina, em Tubarão
1887 ±15 Parte da ferrovia é destruída pela enchente do Rio Tubarão
entre
1883 e 1892
±15 Mudança para Pedras Grandes
13 de maio, 1888 15 Promulgação da Lei Áurea
15 de novembro, 1889 17 Proclamação da República
18 de novembro, 1892 20 Casamento civil com José Sebastião do Nascimento, em Pedras Grandes
7 de fevereiro, 1893 20 Casamento religioso com José Sebastião do Nascimento, em Pedras Grandes
14 de junho, 1893 20 O marido é nomeado Tenente em Tubarão
7 de setembro, 1893 21 É testemunha de casamento da irmã, Hermínia, com Isaac Antunes de Medeiros, em Pedras Grandes
19 de dezembro, 1893 33 Nasce o primeiro filho, Leovegildo Elói, em Pedras Grandes
28 de abril, 1894 21 O marido é nomeado Subcomissário de Polícia de Pedras Grandes
19 de junho, 1895 22 Nasce o 2.o filho, Adolpho, em Pedras Grandes
5 de julho, 1896 23 O marido é exonerado a pedido do cargo de Subcomissário de Polícia de Pedras Grandes
2 de novembro, 1896 24 Nasce a 3.a filha, Laura, em Pedras Grandes
10 de abril, 1898 25 Nasce o 4.o filho, Dimas, em Pedras Grandes
24 de setembro, 1899 27 Nasce o 5.o filho, João Carlos, em Pedras Grandes
27 de julho, 1901 27 Casa-se o irmão Antonio Caetano, em Azambuja.
5 de janeiro, 1902 29 Nasce o 6.o filho, Pedro, em Pedras Grandes
1902 30 Donna Thereza Christina Railway Company deixa de operar. A ferrovia é adotada pelo o governo brasileiro.
1.o de julho, 1903 30 Nasce o 7.o filho, Paulo, em Pedras Grandes
±1904 ±32 Nasce o 8.o filho, João, em Orleães
14 de julho, 1906 33 Casa-se o irmão José Lizenando, em Azambuja.
±1907 ±35 Nasce a 9.a filha, Maria, em Orleães
29 de outubro, 1909 37 Nasce o 10.o filho, Lothar, em Orleães
5 de fevereiro, 1910 37 Casa-se o irmão Garcindo Bonifácio, em Pedras Grandes.
20 de junho, 1911 38 Falece o pai, Caetano Araújo.
±1911 ±39 Retorna a Tubarão
±1912 ±40 Nasce o 11.a filha, Antonia, em Orleães ou Tubarão
24 de janeiro, 1914 41 Casa-se o irmão João Elpídio, em Pedras Grandes.
1915 42 Nasce o 12.a filha, Dona Lôra, em Tubarão
23 de janeiro, 1922 49 Falece a mãe, Guilhermina de Souza.
±1922 ±50 Casamento do filho João Carlos, talvez em Canoas, no Rio Grande do Sul
19 de janeiro, 1931 58 Falece o marido, José Sebastião
15 de novembro, 1936 64 Falece por assistolia, ao meio-dia.

 

Agradecimentos

Primeiro, obrigada ao meu pai, por ter sido meu companheiro de pesquisas, documentação e preservação. À Dona Lôra e família, muito obrigada pelas informações preciosas e inéditas.

Mas principalmente à Maria Caetana, deixo aqui meu agradecimento sem dimensões, por, em consequência da vida que viveu, ter sido a minha primeira bisavó, através do seu décimo filho.

Profundamente, literalmente:

– Obrigada pela existência.

 Da bisneta Helga, em fevereiro de 2015.

–×××–

Veja também:

 



Fontes
[1.1] [1.2] [1.3] [1.4] [1.5] [1.6] [1.7] [1.8] [1.9] [1.10] [1.11] [1.12] Registro de batismo de Maria, acessado em 4 de fevereiro de 2015. Index and images, FamilySearch: “Brasil, Santa Catarina, Registros da Igreja Católica, 1714-1977”: Tubarão: Nossa Senhora da Piedade: Batismos 1869, Set-1875, Nov: imagem 132 de 248.
batismo de maria araujo
[2.1] [2.2] Registro de Batismo de Maria, accessed 1 January 2015. Index and images, FamilySearch: “Brasil, Santa Catarina, Registros da Igreja Católica, 1714-1977,” Tubarão: Nossa Senhora da Piedade: Batismos 1861, Mar-1882, Fev: image 73 of 237.
[3] Registro de batismo de Lídia, accessed 1 January 2015. index and images, FamilySearch: “Brasil, Santa Catarina, Registros da Igreja Católica, 1714-1977”: Tubarão: Nossa Senhora da Piedade: Batismos 1865, Fev-1869, Set: image 46 of 220.
[4] Registro de batismo de Belmira, accessed 7 February 2015. Index and images, FamilySearch: “Brasil, Santa Catarina, Registros da Igreja Católica, 1714-1977”: Tubarão: Nossa Senhora da Piedade: Batismos 1865, Fev-1869, Set: image 205 of 220.
[5.1] [5.2] [5.3] [5.4] [5.5] [5.6] [5.7] [5.8] Registro de Óbito de Caetano Araújo, acessado em 7 de fevereiro de 2015. Images, FamilySearch: “Brasil, Santa Catarina, Registro Civil, 1850-1999”: Pedras Grandes: Pedras Grandes: Óbitos 1892, Maio-1926, Jun: image 115 of 203
[6] VENÂNCIO, Renato Pinto. A madrinha ausente: condição feminina no Rio de Janeiro, 1750-1800. In: COSTA, Iraci del Nero da. Brasil: História Econômica e Demográfica. São Paulo: IPE-USP, 1986, p. 97. In: ANDRADE, Rômulo Garcia de. A População Escrava e Suas Relações de Parentesco em Uma Freguesia do Sul Fluminense – Mangaratiba, 1802-1816 (PDF). Pg.3, Nota 6.
[7] Registro de batismo de José de Araújo, accessed 7 February 2015. Index and images, FamilySearch: “Brasil, Santa Catarina, Registros da Igreja Católica, 1714-1977”: Tubarão: Nossa Senhora da Piedade: Batismos 1875, Nov-1879, Jun:  image 53 of 183.
[8] Registro de batismo de Honorina, accessed 7 February 2015. “Brasil, Santa Catarina, Registros da Igreja Católica, 1714-1977,” index and images, FamilySearch: Tubarão: Nossa Senhora da Piedade: Batismos 1880, Abr-1884, Mar: image 217 of 233.
[9.1] [9.2] [9.3] [9.4] [9.5] Memórias da filha caçula de Maria Caetana, coletadas pela autora em entrevista em Viamão, Rio Grande do Sul, Brasil, em dezembro de 2012.
[10] PERES, Tirsa Regazzini. Educação Brasileira no Império (PDF). São Paulo: Unesp, 2010. p.14, §3.
[11.1] [11.2] [11.3] [11.4] [11.5] [11.6] [11.7] [11.8]
“Brasil, Santa Catarina, Registro Civil, 1850-1999,” images, FamilySearch  Registro de Casamento Civil de José Sebastião do Nascimento e Maria Caetana de Araújo, Images, FamilySearch. “Brasil, Santa Catarina, Registro Civil, 1850-1999,”: Pedras Grandes: Pedras Grandes: Matrimônios 1892, Jun-1913, Jul: imagem 4 de 206.

Registro de Casamento Civil de José e Maria

[12.1] [12.2] [12.3] [12.4] Registro de Casamento Religioso de José Sebastião do Nascimento e Maria Caetana de Araújo, acessado em 22 de dezembro de 2014. Index and images, FamilySearch: “Brasil, Santa Catarina, Registros da Igreja Católica, 1714-1977”: Tubarão: Nossa Senhora da Piedade: Matrimônios 1891, Jun-1894, Abr: imagem 31 de 55.

cas rel jose e maria

[13] Registro de Nascimento de Leovegildo, acessado em 18 de janeiro de 2015. Images, FamilySearch: “Brasil, Santa Catarina, Registro Civil, 1850-1999”: Pedras Grandes: Pedras Grandes: Nascimentos 1892, Maio-1904, Ago: image 47 of 207.
[14] Registro de Nascimento de Adolpho, acessado em 18 de janeiro de 2015. Images, FamilySearch: “Brasil, Santa Catarina, Registro Civil, 1850-1999”: Pedras Grandes: Pedras Grandes: Nascimentos 1892, Maio-1904, Ago: image 84 of 207.
[15] Registro de nascimento de Laura, acessado em 18 de janeiro de 2015. Images, FamilySearch: “Brasil, Santa Catarina, Registro Civil, 1850-1999”: Pedras Grandes: Pedras Grandes :Nascimentos 1892, Maio-1904, Ago: imagem 117 de 207.
[16] Registro de nascimento de Dimas, acessado em 18 de janeiro de 2015. Images, FamilySearch Brasil: Santa Catarina, Registro Civil, 1850-1999″: Pedras Grandes: Pedras Grandes: Nascimentos 1892, Maio-1904, Ago: imagem 141 de 207.
[17] Registro de Nascimento de José, acessado em 10 de janeiro de 2015. Images, FamilySearch: “Brasil, Santa Catarina, Registro Civil, 1850-1999”: Pedras Grandes: Pedras Grandes: Nascimentos 1892, Maio-1904, Ago; imagem 161 de 207.
[18] Registro de Nascimento de Pedro, acessado em 18 de janeiro de 2015. Images, FamilySearch: “Brasil, Santa Catarina, Registro Civil, 1850-1999”: Pedras Grandes: Pedras Grandes: Nascimentos 1892, Maio-1904, Ago: imagem 193 de 207.
[19] Registro de Nascimento de Paulo, acessado em 18 de janeiro de 2015. Images, FamilySearch: “Brasil, Santa Catarina, Registro Civil, 1850-1999”: Pedras Grandes: Pedras Grandes: Nascimentos 1892, Maio-1904, Ago; imagem 197 de 207.
[20.1] [20.2] Registro de casamento de João Nascimento e Beatriz Kochler, acessado em 2 de fevereiro de 2015. Images, FamilySearch: “Brasil, Rio Grande do Sul, Registros da Igreja Católica, 1738-1952”: Porto Alegre: São José dos Alemães: Matrimônios 1923, Maio-1942, Jul: imagem 7 de 42.
[21] Registro de nascimento de Lothar, acessado em 11 de dezembro de 2014. Images, FamilySearch: “Brasil, Santa Catarina, Registro Civil, 1850-1999”: Orleans: Orleans: Nascimentos 1909, Maio-1911, Mar: imagem 85 de 229.
[22] Notícia de José S. do Nascimento, 1896. Hemeroteca Digital Brasileira. Jornal “A República”, Ano VII,  N.o 6, 18 de julho de 1896, 1.a Pág., 2.a Col., 2.a Linha.

[24] Registro de casamento de Antonio e Locinda, accessed 7 February 2015. Images, FamilySearch , “Brasil, Santa Catarina, Registro Civil, 1850-1999”; Brasil, Santa Catarina, Registro Civil, 1850-1999: Pedras Grandes: Pedras Grandes: Matrimônios 1900, Nov-1918, Jul: image 7 of 205.
[25] Registro de casamento de José Araujo e Maria Alexandrina, accessed 7 February 2015. Images, FamilySearch: “Brasil, Santa Catarina, Registro Civil, 1850-1999”: Pedras Grandes: Pedras Grandes; Matrimônios 1900, Nov-1918, Jul: image 35 of 205.
[26] Registro de casamento de Lídia e Isaac, accessed 7 February 2015. Images, FamilySearch. “Brasil, Santa Catarina, Registro Civil, 1850-1999”: Pedras Grandes: Pedras Grandes: Matrimônios 1892, Jun-1913, Jul: image 8 of 206
[27] Registro de casamento de Garcindo e Maria Feliciana, accessed 7 February 2015″Brasil, Santa Catarina, Registro Civil, 1850-1999,” images, FamilySearch: Pedras Grandes: Pedras Grandes: Matrimônios 1892, Jun-1913, Jul: image 169 of 206.
[28] Registro de casamento de José Araújo e Doralice Rodrigues, accessed 7 February 2015. “Brasil, Santa Catarina, Registro Civil, 1850-1999,” images, FamilySearch: Pedras Grandes: Pedras Grandes: Matrimônios 1913, Jul-1931, Jul: image 11 of 205.
[29.1] [29.2] Registro de óbito de Guilhermina, accessed 7 February 2015. “Brasil, Santa Catarina, Registro Civil, 1850-1999,” images, FamilySearch: Orleans: Pindotiba: Óbitos 1915, Maio-1922, Set; image 94 of 103.
[30] Registro de Óbito de José Sebastião do Nascimento, acessado em 22 de dezembro de 2014. Images, FamilySearch: “Brasil, Santa Catarina, Registro Civil, 1850-1999,”: Tubarão: Tubarão: Óbitos 1930, Fev-1933, Jun: imagem 62 de 202.

Óbito de José Sebastião do Nascimento

[31.1] [31.2] [31.3] Registro de Óbito de Maria Araújo do Nascimento, accessed 22 December 2014. images, FamilySearch: “Brasil, Santa Catarina, Registro Civil, 1850-1999”: Tubarão: Tubarão: Óbitos 1936, Mar-1938, Maio: image 41 of 203; N.o 11 98.obito maria araujo 2 copy

1 Comment Maria Caetana de Araújo

  1. Marcos De Menezes

    Obrigado por divulgar a historia desta Sra. Minha avo, ainda viva, Sinira Araujo Goulart, e sobrinha de Maria Caetana, filha de Garcindo Bonifacio de Araujo e Maria Feliciana de Jesus:

    Garcindo Bonifácio de Araújo casou com Maria Feliciana de Jesus, em 5 de fevereiro de 1910, em Pedras Grandes.[27] José Sebastião foi testemunha legal, Maria Caetana não assinou a ata, como no casamento de José Lizenando.

    Reply

Leave A Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado.